Corra para a balada mais inacrê do ano neste feriado prolongado

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Em sua quinta edição, o festival Hopi Night, no Hopi Hari, é a sugestão da Atrê para você curtir muito este feriado prolongado. 

A festa, que começa a partir das 18h30, reúne música eletrônica, performances, projeções e um show de luzes incrível. A novidade deste ano é que, ao entrar no parque, você pode tirar uma foto que será projetada durante o evento. Demais, né?

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A megabalada acontece até o dia 9 de junho e o passaporte antecipado para curtir o Hopi Hari o dia inteiro e o Hopi Night custa R$ 79,00. 

#partiu

Vale a pena amar a si mesma porque, com a autoestima nas alturas, curtimos a vida com muuuito mais alegria! Duvida?

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

1. Tente descobrir seu lado mais bonito
Já reparou como temos um ângulo que fotografamos melhor? Com as coisas que estão dentro da gente, funciona do mesmo jeito. Assim como um nariz pontudo, também temos algum orgulho bobo ou uma timidez que nos deixa meio paralisadas às vezes. Mas tente “tirar uma foto” de si mesma sem que esses “defeitos” fiquem em evidência. Perceba as boas lições que já aprendeu, as amizades que fez, as vitórias que alcançou – por menores que sejam. Nada aconteceu por acaso, mas, sim, porque você tornou possível.

2. Aceite seu jeito de ser
Você até pode – e deve – mudar seu cabelo se ele estiver incomodando. Os tratamentos de beleza estão aí pra isso mesmo. Também dá para melhorar aquela mania de querer que a sua vontade seja feita sempre ou outra mania qualquer. Mas é legal saber que nem tudo pode ser modificado e algumas coisas até mudam, porém, levam tempo. Foque no que lhe faz bem e esqueça o resto.

3. Esqueça as comparações
Tudo bem admirar as qualidades das outras pessoas e querer copiar as coisas boas, mas nem sempre o caminho escolhido por uma pessoa que a gente curte é o que vai nos fazer felizes. Por isso, o mais importante é saber o que você deseja. Tenha a coragem de decidir seu próprio destino, baseando-se em seus valores e em suas vontades. Que tal olhar mais para dentro de si mesma?

4. Comemore as pequenas vitórias
Conseguiu conversar com a sua mãe em vez de brigar e ainda a convenceu de deixá-la sair? Foi bem na prova daquela matéria superdifícil? Pediu desculpas a uma amiga que tinha magoado? Tudo isso são sinais de que você está se tornando uma pessoa cada vez melhor. Diga isso a si mesma sempre que algo bom acontecer.

5. Faça o que gosta
Busque atividades que considere gostosas: um esporte, um curso de guitarra ou qualquer outra forma de passatempo. Quando fazemos algo que nos diverte e nos faz sentir mais leves, acabamos alcançando bons resultados, e aí nos sentimos mais fortes para encarar desafios maiores.

6. Afaste-se das pessoas que sempre colocam você lá embaixo
Se a sua amiga de vez em quando pisa na bola, até passa. Mas se ela vive inventando apelidos chatos ou coloca você em situações de humilhação, fuja! Vá atrás de pessoas que mereçam o seu amor e amizade.

7. Cole em quem lhe faz sentir bem
Já que a regra é ficar na boa e ser feliz, um caminho legal é procurar a companhia de pessoas que realmente têm a ver com você, que demonstrem carinho especial por seus sentimentos e ideais. O amor faz bem.

8. Corra o risco de errar
Tá cheio de menina que morre de medo de beijar porque não sabe direito o que fazer na hora H. Tem também as que não querem namorar porque têm medo de sofrer se rolar uma separação. Elas não contam com o fato de que, enquanto durar o romance, vão curtir e aprender um monte. É com a experiência que a gente vence os desafios e se prepara para enfrentar outros maiores.

9. Dê menos atenção à opinião dos outros
Já reparou como a gente perde boa parte da vida tentando impressionar uma galera que nem conhece bem? Sim, porque os amigos de verdade já gostam mesmo da nossa companhia e vai ser difícil estragarmos isso. Que tal começar a colocar as suas ideias e os seus objetivos em primeiro lugar?

10. Ria dos foras que dá
Com bom humor, o pior tombo do mundo ou a maior bobagem – dita em alto e bom som na classe – ficam do tamanho que são: pequenos e insignificantes. Logo, os outros vão esquecer e, enquanto isso não acontece, ria do seu próprio mico.

A Atrê te dá dez dicas para você ajudar o planeta a ser um lugar melhor para viver

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

Como já deu pra sacar, quem quer fazer a diferença no mundo nem precisa comprar uma passagem pra África, com o objetivo de ajudar a acabar com a fome por lá. Pode começar fazendo algo pela comunidade em que vive, doando um pouco do seu tempo e do seu carinho. Com a prática, pode até ser que você tenha vontade de ir além. Mas mesmo se não for, já vai conseguir ajudar um monte de gente e, o principal, vai se tornar uma pessoa muito melhor a cada dia. Quer tentar? Aí vão algumas ideias, para colocar em prática já, agora, pra ontem!

1. Doe o que não usa mais: você já parou pra pensar que todas aquelas peças de roupas, pares de sapatos e brinquedos em boas condições que estão no fundo do seu guarda-roupa podem ser reaproveitados por outras pessoas? Então, que tal desapegar de tudo isso, gata?

2. Economize água e energia: não enrolar debaixo do chuveiro, fechar a torneira enquanto escova os dentes, apagar as luzes quando sai de um cômodo e não largar a TV ligada são atitudes que ajudam a diminuir as despesas que seus pais pagam e, ao mesmo tempo, colaboram para a preservação dos recursos naturais do planeta.

3. Não deixe comida no prato: você sabia que 1 bilhão de pessoas poderiam deixar de ser desnutridas com menos de um quarto dos alimentos que são desperdiçados no mundo? Por isso, em vez de comer com os olhos, coloque no prato somente o que vai realmente comer. Daí, depois, se ainda sobrar um espacinho no estômago, você repete.

4. Ofereça ajuda às pessoas: emprestar o seu braço para um idoso atravessar a rua, carregar as sacolas dele no mercado ou ceder o assento no ônibus são ações pra lá de simples, mas que contribuem para transformar o mundo que você vive em um lugar muito mais gostoso de viver.

5. Adote um animal: que tal ajudar a diminuir o número de bichinhos nas ruas sofrendo maus-tratos, passando fome e frio? Não compre, adote! Há diversas feiras de adoção por todas as cidades do País, basta se informar e se preparar para abrigar, em casa, esse novo amigo.

6. Instaure a coleta seletiva: incentive quem mora com você a separar o lixo orgânico do reciclável. Também é preciso separar o óleo de cozinha e entregar nos postos de coleta específicos para esse fim, assim como as baterias e as pilhas. E ainda tem mais: os remédios e alguns tipos de maquiagens também não podem ser descartados no lixo comum, pois podem contaminar a água e o solo. Algumas farmácias e ONGs aceitam coisas vencidas, mas, na dúvida, dê uma pesquisada na internet antes de se livrar de tudo isso.

7. Incentive seus pais a apadrinharem uma criança: várias instituições possuem campanhas em que é possível escolher uma criança para apadrinhar. Daí, em datas comemorativas como Páscoa, Dia das Crianças e Natal, eles podem comprar roupas e brinquedos para presenteá-las. Ou até mesmo contribuir mensalmente com uma quantia para custear os estudos delas. Demais, não?

8. Faça trabalho voluntário: inscreva-se para ajudar em asilos, creches e orfanatos. Além de não custar nada, você leva carinho para pessoas que precisam muito de atenção.

9. Plante uma árvore: além de divertido, plantar uma árvore beneficia todo o ecossistema. Melhora a qualidade do ar, ajuda a preservar espécies de animais, protege o solo e até aumenta o volume de água potável nos lençóis freáticos. Quer mundo melhor que esse?

10. Leia para uma criança: a melhor ferramenta para mudar o mundo é o conhecimento. Então, que tal pegar um livro interessante e divertido, fazer uma roda com seus primos, vizinhos ou até mesmo com as crianças de um orfanato e encher a cabecinha delas de boas sementinhas?

Seus pais implicam na hora de te deixar sair? Saiba o que fazer!

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

Se você vive tentando dobrar seus pais e nunca consegue bons resultados, talvez o grande desafio a vencer seja o de aprender a escutar os argumentos dos mais velhos. É inevitável que, em situações como essa, você e seus pais discordem.

Mas o primeiro passo para se sair bem nessa negociação é aprender a ouvir o outro sem preconceitos. Sua mãe tem os motivos dela para dizer não, então, que tal começar a ouvi-la de verdade? Assim, você estará mais preparada para expor seus argumentos. Por exemplo, seus pais não deixam você chegar tarde porque se preocupam com a sua segurança. Sabendo disso, você pode pensar em maneiras de mostrar a eles que está tomando medidas para se proteger: ir com uma turma de amigos que seus pais conheçam, escolher um local bem frequentado, ter carona para ir e voltar com alguém de confiança. Em outras palavras, só conhecendo bem as preocupações dos pais você será capaz de desenvolver o argumento certo.

Mas fique atenta ao trato que terá de cumprir depois de conseguir o que queria. Então, se na primeira tentativa o melhor que você conseguiu foi negociar para voltar às três da manhã, vá assim mesmo, e  cumpra exatamente o combinado. Depois de fazer isso mais umas duas vezes, tente conseguir meia horinha a mais na balada.

As nossas leitoras opinaram!

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A festa do samba, do axé e da diversão sem limites já está aí e, para muita gente, é depois desta data que o ano começa definitivamente – até porque, é nestes dias de festança que muitos extravasam as emoções contidas durante o ano que passou. Mas será que no carnaval vale tudo mesmo? Podemos fazer tudo aquilo que não fazemos em “dias comuns”? As leitoras da Atrê responderam se o “libera geral” vale ou não. Confira!

NÃO
É claro que não! “Tudo” abrange muita coisa e muitas dessas coisas são ilegais e têm de ser evitadas. Drogas, bebidas em excesso e más companhias devem ser evitadas no dia a dia, e no carnaval não é diferente. Não é da noite para o dia que as pessoas ficam livres de toda e qualquer regra da sociedade. Seja por questões morais ou de saúde, é necessário ter bom-senso para curtir a festa de um jeito sensato e sóbrio, afinal, de que adianta se divertir tanto e, no dia seguinte, não se lembrar de nada? E tem mais: por ser um evento que atrai muita gente, é necessário ficar ligado em tudo o que ocorre ao nosso redor, para não acabar no meio de uma confusão sem querer. No carnaval, ainda é preciso ter cuidado para não sair na azaração e beijar qualquer um. Existem doenças que são transmitidas pelo beijo... Na hora, pode ser ótimo, mas depois, as consequências chegam. O carnaval deve ser curtido com responsabilidade para ser divertido! - V.F.P.C., 15, Salvador, BA

 

SIM
Sem pudor nenhum, no carnaval vale tudo, é claro! Como o nome mesmo diz, é a festa da carne, do prazer, da folia e tudo mais. São os únicos dias do ano destinados para uma bagunça divertida, em que se pode liberar geral e ninguém será reprimido por isso. Antigamente, as pessoas até se fantasiavam de verdade e usavam máscaras para poder fazer qualquer coisa e não serem reconhecidas depois. Hoje, o carnaval tem mais regrinhas, mas as fantasias continuam existindo (em algumas festas) ou são substituídas pelo uniforme chamado de abadá. Mas a essência da festa, que é a folia e a azaração, não muda, e ainda é possível festejar sem desrespeitar quem não curte. É claro que tem gente que extravasa, mas convenhamos, no carnaval pode! Melhor ainda se com uma colher de chá de responsabilidade. - M.V.S., 14, Bauru, SP

 

 

Faça sua lista de promessas e faça do seu ano um 2014 inacrê!

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Só tem vida chata, sem graça e monótona quem quer! Para fazer o seu novo ano valer a pena, o bacana é experimentar coisas novas, se aventurar, superar limites e curtir até! Já imaginou fazer coisas novas e diferentes sempre? Que tal começar por esta lista especial que a Atrê preparou pra você?

1. No ritmo: aproveite o tempo livre para fazer uma aula de dança com uma amiga animada. Vale balé, jazz e até dança de salão. Já pensou que divertido e engraçado? Se não tiver como bancar uma aula, por que você e sua amiga não montam uma coreografia incrível para aquela música? De quebra, você ainda entra em forma e detona os quilinhos que estão sobrando.

2. Mestre-cuca: a ideia é se aventurar na cozinha, inverter os papéis e preparar alguma delícia para a sua família. Você pode tentar reproduzir uma receita tradicional ou, melhor ainda, inventar um prato totalmente novo. Dê uma pesquisada nuns pratos na internet e se jogue! E se der errado, tudo bem! É só chamar o delivery.

3. Obra de arte: quem disse que você não leva jeito pra pintar? E você por acaso já tentou? Compre umas telas brancas e tinta e deixe a sua imaginação fluir. Mesmo que descubra que não é o que você quer fazer para o resto da vida, pelo menos você vai dar uma relaxada enquanto pinta, sem pensar em absolutamente nada. Sério, faz o teste!

4. Dia de beleza: chame suas bests para uma tarde juntas na sua casa, um verdadeiro day spa. O serviço tem de ser completo: hidratem os cabelos, façam as unhas e uma máscara especial para a pele. A diversão é garantida e o sucesso com os gatinhos também!

5. Decoração especial: sabe aquela parede branca e morta do seu quarto? O que acha de dar um pouco de cor e graça a ela? Vale pintar, aplicar stickers, papel de parede ou apenas pregar um quadro ou outro enfeite bem legal. Também dá para montar um mural com suas fotos! Se rolar, daí você pode até se aventurar em outros cômodos da casa (com a permissão dos papis, claro!).

6. Passeio a pé: saia da frente da televisão e do computador. Pegue seu cachorro, se tiver, e vá dar uma volta no quarteirão. A pé. Pode parecer bobagem, mas você vai ver coisas que nunca tinha reparado de dentro do carro. Vai perder a oportunidade?

7. Visual moderno: crie coragem para fazer aquela mudança que você sempre quis e vive adiando. Vale apostar num corte diferente, mudar a cor dos cabelos e até pintar as unhas de uma cor bem cheguei! Só escolha um profissional experiente, em quem confie, para fazer essa transformação em você. E vai na fé! Lembre-se: cabelo cresce, e unha, então, nem se fale.

8. Amigos novos: chega de panelinha. Tente ir a uma balada diferente de vez em quando, comece um curso novo, aproxime-se dos filhos daquela amiga da sua mãe. Quem sabe não encontra alguém superlegal num lugar totalmente inesperado? 

9. Música da boa: outra coisa bem legal é aprender a tocar um instrumento. O violão é básico e sempre vai bem nas festinhas da galera. Agora, se achar complicado, tente a gaita, um instrumento de percussão ou arrisque cantar. Além de ser uma delícia, você vai poder usar esse talento a seu favor para atrair amigos e pessoas interessantes. 

10. Bem na foto: câmera ou celular na mão, saia por aí fotografando as coisas. As flores, as pessoas, os cachorros pelas ruas. Ou então se produza e faça um book testando caras e bocas no jardim da sua casa, na rua, em qualquer lugar. Depois, compartilhe as melhores imagens nas redes sociais.

11. Radical mesmo: experimente surfar, arrisque umas manobras no skate, pratique arborismo ou simplesmente brinque na montanha-russa. Além de liberar uma adrenalina louca, dando uma sensação deliciosa depois, fazer algo radical é uma maneira de superar nossos limites. Depois, a gente acaba ficando mais confiante para ousar em outras situações da vida também. 

12. Clubinho: qual é o seu principal interesse neste momento? Já pensou em juntar uma porção de gente que curte a mesma coisa que você em um grupo legal, mesmo que virtual? Pode ser um fã-clube, um grupo de dança, de livro, de teatro ou coisa que o valha. Taí um jeito bom de fazer amigos.

13. Mãos à obra: ajudar o próximo pode te dar uma sensação nova e muito, muito boa! Você não precisa ser voluntária num orfanato ou asilo, se não quiser. Brincar com o seu priminho mais novo de vez em quando ou visitar seus avós com mais frequência já vale. Nessas horas, dedique-se completamente ao outro, pensando só em fazê-lo feliz. E sabe quem vai acabar mais feliz ainda? Pode apostar que é você!

14. Natureza mais perto: encontre um lugar legal para ver o sol nascer ou se pôr. Ande mais descalça na grama ou na areia. Tome mais banhos de mar ou cachoeira. Ou simplesmente abrace uma árvore. Tudo isso ajuda a renovar as energias e é excelente quando a gente tá se sentindo deprê ou cansada demais da vida. O nosso astral muda na hora.

15. Tudo diferente: faça as coisas comuns de um jeito novo. Escove os dentes com a mão esquerda (se for destra), penteie o cabelo pro outro lado, faça um caminho maluco para o colégio, coma mais alface e menos arroz, reclame em outra língua (obrigada, Google Tradutor!). Quanto mais você treinar, mais vai se acostumar a sair totalmente da rotina e a vida vai ser sempre nova. Ainda que seja exatamente a mesma.     

Leia a emocionante história de Gabriela

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

A história: com 2 aninhos de idade, a Gabriela Moraes Rossetti, de 17 anos, foi diagnosticada com leucemia. Durante vários anos, ela se submeteu a diversos tratamentos que não funcionaram. Quando a doença reapareceu pela terceira vez, ela resolveu procurar ajuda no Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC), onde os médicos sugeriram o transplante de medula. “Minha irmã mais velha, que na época tinha só 11 anos, foi a minha doadora. Ela é a minha verdadeira heroína”, conta, cheia de orgulho e carinho.

Volta por cima: depois do transplante e da notícia da cura, a Gabi ainda teve de usar máscara hospitalar por cinco anos. “Consegui superar essa fase com o apoio da minha família e dos meus amigos, tanto da escola quanto do hospital, onde eu passava a maior parte do tempo”, diz. Durante os 12 anos de tratamento, a Gabi recebeu tanto carinho sincero da galera e da família que nunca se sentiu diferente ou teve pena de si própria. Atualmente, ela está curada (eba!) e concluindo o ensino médio. Daí, ano que vem ela quer entrar para a faculdade e cursar gastronomia. 

Pra se inspirar: “Ria muito, não tenha vergonha de ajudar o próximo ou de dizer ‘eu te amo’, abrace seus avós, beije seus pais e agrade seus irmãos. E quando as coisas não saírem como o esperado, não tenha dúvida de que algo muito melhor está preparado para você. Basta esperar”, garante. Não precisamos dizer mais nada, não é mesmo? 

Confira esta história inacrê de superação

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

A história: Um Amor Para Recordar poderia ser o nome do filme da vida da Ahmanda Baro Dahrouge, hoje com 23 anos. A estudante levou dois sustos ainda bem novinha. Aos 11, perdeu sua mãe para o câncer. Exatamente dois anos, dois meses e dois dias depois, seu pai foi morto em um assalto. Daí, apesar de estar cercada pelo amor de parentes especiais e amigos, a gata se sentiu sozinha e confusa. “Às vezes, tinha dúvidas ou queria saber mais sobre a minha própria história e não tinha para quem perguntar”, lembra.

Volta por cima: a solução que a Ahmanda achou para amenizar a saudade que sentia foi pensar que, onde quer que fosse, os pais estariam ao lado dela, dentro do coração. “Levo comigo os momentos felizes que passamos juntos. E procuro me lembrar deles sempre com alegria”. Hoje, a gata mora com os tios e está cursando o último ano da faculdade. Também faz aulas de inglês e vai à academia, para ocupar a cabeça (e manter o corpinho em dia, claro!). Nas horas vagas, aproveita para curtir a vida “até” com as amigas e o namorado, que está ao lado dela para o que der e vier. Fofo, né?

Pra se inspirar: “Para seguir em frente, penso que tenho saúde e que, com isso, posso ir atrás dos meus objetivos. E sei que é o que os meus pais esperam de mim, eles querem me ver feliz, lá onde estão”, afirma a gata que se considera, sim, uma vitoriosa. “A vida é curta demais para nos preocuparmos com coisas pequenas, fúteis e sem sentido, ou para darmos importância a pessoas que não merecem. Então, o meu conselho é: dê valor aos que realmente a amam e aproveite todas as oportunidades boas que a vida lhe oferecer.”

A Atrê apoia essa iniciativa!

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Fazer um trabalho voluntário não é só uma forma de ajudar quem precisa, mas uma maneira de aprender com pessoas que têm histórias bem diferentes das nossas. Então, que tal dar um baile na preguiça e entrar de cabeça (e coração) nessa onda? A gente explica como...

Como começar

Depois de escolher o trabalho voluntário que mais tem a sua cara, a primeira coisa a fazer é mandar a preguiça para bem longe e acreditar, de verdade, que tem muito a oferecer. Dá pra se inspirar no exemplo de algumas garotas superengajadas e que estão mais ou menos na mesma vibe que você. Uma delas é a Nikole França, de 19 anos. Ela é voluntária da ONG Teto, que reúne voluntários e moradores de regiões pobres para construir moradias de emergência, em cerca de três dias, com o objetivo de abrigar famílias mais necessitadas. “Além de ter contato com várias pessoas que compartilham o mesmo ideal que eu, nesse trabalho eu tenho a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a realidade da sociedade em que vivemos. Assim, fica mais fácil pensar em ideias para transformar tudo o que nos incomoda para melhor”, diz a garota. A gata também garante que o trabalho voluntário é ótimo para tornar as pessoas mais tolerantes e humanas. “É uma experiência maravilhosa, que nos dá a esperança e a certeza de que é possível mudar a nossa realidade, se cada um fizer um pouquinho”, completa.

E mesmo para quem não curte esse tipo de atividade, o que não faltam são opções. A da Fernanda Andrade, de 22 anos, foi participar do Programa Escola da Família. Durante três anos, aos finais de semana, ela trabalhou como educadora universitária. O programa funciona mais ou menos assim: aos finais de semana, as escolas públicas recebem a comunidade local. Lá, o pessoal pode curtir atividades superlegais, que envolvem temas como trabalho, cultura, saúde, esporte e lazer. “A escola é frequentada, em sua maioria, por crianças de 4 a 12 anos, cada uma com a sua história, mas todas muito carentes de atenção e afeto”, conta. Convivendo com essa realidade, a Fê aprendeu a valorizar a própria família e a vida maravilhosa que levava. “Também comecei a perceber que os problemas que eu tinha e que antes me incomodavam tanto nem eram tão grandes assim”, diz.

No caso da Gabriela Matarazzo, de 14 anos, as visitas às creches que atendem crianças carentes foram só a porta de entrada para o mundo do voluntariado. Ela começou acompanhando a mãe e, depois, topou ajudá-la também em uma série de eventos beneficentes, com o objetivo de arrecadar dinheiro para manter projetos sociais. De tanto trabalhar aqui e acolá, ela tomou gosto pela coisa e, agora, neste momento, enquanto você lê a sua Atrê, a Gabi e uma amiga estão no Equador para fazer trabalho voluntário lá. Demais, né?

Foto: Reprodução/We Heart It

Foto: Reprodução/We Heart It

Como persistir

Depois de encontrar a atividade ideal para você, e uma turma em que se sente acolhida, será preciso ter disciplina para persistir e levar adiante esse projeto. E isso sem prejudicar os estudos nem abrir mão das baladas. E nem é tão difícil quanto parece! Mesmo tão dedicadas ao voluntariado, todas essas garotas, isso mesmo TO-DAS, garantiram que conseguem conciliar perfeitamente todas as suas atividades. Segundo a Gabi, o xis da questão é se organizar. “Eu me planejo com antecedência, para não deixar os compromissos se acumularem. Em último caso, quando necessário, aviso o pessoal que em determinado dia já estou comprometida”, conta. Simples, né?

Na mesma onda, a Nikole aconselha a ter responsabilidade. “Só se comprometa com aquilo que pode cumprir, só comece aquilo que sabe que vai terminar”. Nesse caso, a garota alerta que é preciso se conhecer bem. Por exemplo: se você sabe que é da balada, ou que precisa estudar muito para se dar bem na escola, a dica é restringir o trabalho voluntário para dias específicos da semana, aqueles em que você está mais tranquila. “Quando estou em semana de provas ou se fico muito tempo sem ver meus amigos, adio um pouco o trabalho com a ONG. Por outro lado, nas fases em que estou mais engajada nas atividades do projeto, me dedico de corpo e alma”, conta.

Já a Fernanda é daquelas que, se for preciso, viram a noite para dar conta do recado. Ela é uma prova de que, com força de vontade, tudo se ajeita. Para você ter uma ideia, a Fê trabalhava durante a semana, estudava à noite e aos sábados e domingos era voluntária na escola pública. Mas ela garante que, todos os dias, recebia sua recompensa: deitar a cabeça no travesseiro com a sensação de dever cumprido. E tem coisa melhor?

No final das contas, mesmo levando a sério o trabalho, é possível fazer uma porção de amizades durante esse tipo de atividade. E aí fica mais fácil transformar estes momentos tão especiais em situações prazerosas e de pura diversão. Vale, e muito, tentar! 

As SuperAtrês te ajudam!

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“Faça um acordo com sua mãe. Combine um horário para chegar em casa e cumpra-o sem deixar passar um minuto! Também sempre atenda aos telefonemas dos seus pais e faça suas tarefas e deveres. Isso vai ajudar a mostrar que você tem responsabilidades. Explique para sua mãe que suas amigas fazem esses programas e que é normal querer sair com elas. Com isso, sua mãe vai perceber que você é uma garota responsável e obediente.” - Natani Menossi, 16 anos, @natani_menossi

“Antes de tudo, você deve procurar ter uma conversa franca com a sua mãe. Provavelmente as coisas não vão mudar logo de cara, mas comece a provar para ela que você está mais responsável. Fique atenta às pequenas atitudes, como tirar notas melhores, arrumar o quarto, ajudar em casa. Assim, você conquistará a confiança dela e conseguirá sair mais vezes. Boa sorte!”  - Lethícia Mota, 16 anos, @leemotas2

“É totalmente normal sua mãe se preocupar com quem você se relaciona e para onde você vai. O aconselhável é que você faça alguma reunião ou festinha dentro de sua casa e chame seus amigos para conhecê-la. Com o passar do tempo, sua mãe irá sentir confiança e saberá que seus amigos são legais.” - Rafaela Oliveira, 17 anos, @raffadeoliveira

A especialista diz...
“Esse é um período complicado para o adolescente: a mãe vê a filha como uma garota que precisa de seus cuidados e proteção. A menina, por sua vez, está cheia de energia e acredita que é responsável e capaz de tudo. Estes dois pontos precisam estar em equilíbrio. Este é o momento da jovem conquistar a confiança dos pais, com atitudes coerentes e responsáveis. Este é o caminho para se ter uma vida saudável: ter liberdade com responsabilidade.” - Dra. Araceli Albino, psicanalista, psicóloga e presidente da ONG Autismo & Realidade.

Saiba mais:
Na Atrê de novembro, com o Justin Bieber e a Jennifer Lawrence na capa, tem uma matéria inacrê sobre relacionamento com os pais. Corre pra banca ou garanta sua clicando aqui! 

Siga nossas dicas e arrase na sua Halloween party!

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

Nesta quarta, o mundo todo comemora o Dia das Bruxas, mais conhecido como Halloween. Por mais que a festa seja mais popular nos Estados Unidos, nós podemos fazer uma party tão divertida quanto a deles. Quer ver? Se liga nas nossas dez dicas para bombar:

1- A decoração tem que ser inacrê! Pendure bruxas, morcegos e imagens de abóboras pelas paredes, começando pela porta. Vale pendurar um aviso do tipo 'Bem vindos à casa da Bruxa'! Se a festa for na sua casa, que tal trocar as fotos dos porta-retratos por fotografias de Halloween? Demais!

2- Abuse dos balões nas cores preto, laranja e roxo. Complemente a decoração com teias de aranha que podem ser encontradas em lojas de decoração. Transforme a sua casa em uma mansão mal assombrada, nem que for por uma noite. 

3- Coloque um filme de terror e deixe passando na televisão. Por mais que na festa tenha música, é legal ter um filme aterrorizante passando onde todos possam ver. 

4- Decore a mesa com TNT! O tecido possui cores que chamam bastante a atenção em uma festa de Halloween. 

Foto: Reprodução/We Heart It

Foto: Reprodução/We Heart It

5- Você pode abusar da sua criatividade na culinária. Faça comidinhas diferentes e dê nomes de bruxa à elas. Você pode, por exemplo, montar divertidos pães com patê e apelidar o recheio de 'creme do monstro' ou 'mistura da bruxa'. Já pensou que incrível? 

6- Abuse da maquiagem! Veja aqui algumas opções para se inspirar!

7- Sabe aquelas balas de gelatina em formato de dentaduras? Elas não podem faltar em sua festa! Faça uma mesa de doces e deixe as balinhas jogadas pela mesa. Vai ficar demais!

8- Que tal fazer uma festa a fantasia do horror? Cada convidado deverá ir pra festa fantasiado de bruxa, caveira, vampiro ou qualquer outra coisa que lembre o Dia das Bruxas. 

9- Sua vizinhança é superbacana? Que tal fazer o maior estilo americano de ser e sair de porta em porta, pedindo 'doçuras ou travessuras'? Tenho certeza de que vocês vão se divertir demais!

10- A trilha sonora tem que ser #bapho! Escolha uma playlist bem incrível, ou baixe no iTunes músicas que são a cara do Dia das Bruxas. Tem essa aqui que é demais!

Foi trocada pela melhor amiga? Saiba como agir!

Ilustração: Isa Santos

Ilustração: Isa Santos

“Eu tenho uma BFF faz cinco anos, sempre ficamos juntas no recreio, mas agora ela às vezes me troca por outras amigas ou pelo namorado. Eu me sinto triste porque ela me troca pelas meninas que nem falam comigo. Às vezes até acho que estão falando mal de mim... O que eu faço?” - R.P., por e-mail

Mesmo sendo um momento difícil, você tem algumas opções. Procure conversar com sua amiga e desabafar seus sentimentos sobre as novas amigas dela e sobre o tempo que vocês passam juntas. Abra o jogo e veja o que ela diz. É importante você considerar que ter vários amigos e expandir seu círculo de amizade pode ser bastante saudável. Dessa forma, você pode ter mais opções de divertimento. Considere a possibilidade de fazer amizade com várias pessoas e ter muitos grupos ao mesmo tempo. Se possível, converse com essas garotas e veja se há algo que precisa ser esclarecido para que você seja incluída nesse grupo com mais tranquilidade.

Quem respondeu: Psicóloga Dra. Cristiane Moraes Pertusi, Doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP).

Mande suas dúvidas para Atrevida, pelo e-mail atrevida@escala.com.br.