Assine

Sabe quando começam a reclamar que você está na frente de todo mundo no show do seu ídolo? A gente te entende, girl...

Sabe aquela saia longa que você comprou? Sim, ela sempre fica curta demais em você!

Reprodução

E você sente que as suas pernas sempre estão no caminho de alguém. Tipo quando você está sentada no ônibus, no trem...

Reprodução

Dar um abraço nas BFFs? Isso exige um curvamento gigaaaante da coluna, né?

Reprodução

Cena comum no show do seu ídolo: as fãs atrás de você #chateadíssimas porque não conseguem ver o palco.

Reprodução

Você sempre evita usar salto altos? Mas eles ficam tão lindos em você, girl...

Reprodução

Desastrada? Ah, este é o meu sobrenome!

Reprodução

Mas, fala sério: você tem muito orgulho da sua altura e sabe que as garota morrem de inveja! Haha!

Reprodução

Truques para levantar a bandeira branca com seu irmão

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Viver entre tapas e beijos com os irmãos é mais comum do que você imagina. Mas com um pouquinho de paciência e jogo de cintura é possível transformar esta relação em algo gostoso e divertido (pelo menos na maior parte do tempo...)

1. Seja parceira e não inimiga! Evite ficar fazendo fofoquinhas sobre eles para seus pais.

2. Respeite o espaço deles e eles respeitarão o seu! Se perceber que sua irmã tá naqueles dias, deixe-a quietinha e guarde a piada para depois.

3. Quebre o gelo com um bom-dia ou um beijinho de boa-noite. Pequenos gestos de carinho vão fazer o dia de vocês mais feliz.

4. Se não gostou de alguma atitude deles, chame para um papo. Nada de discussões e tapas!

5. Troquem dicas de músicas, seriados e livros. Gostos parecidos aproximam as pessoas, e às vezes seu irmão é fã daquela superbanda e você nem sabe!

6. A grana tá apertada para o presente do dia das mães? Convide seus irmãos para rachar com você e passem uma tarde juntos no shopping ou navegando em lojas virtuais.

7. Ninguém é bom em tudo. Com certeza você entende mais de um assunto do que seus irmãos e vice-versa. Não caçoe das dificuldades deles, ensine-os, ajude-os. E não tenha vergonha de fazer o mesmo quando quem estiver precisando de uma forcinha for você.

8. Seja simpática com os amigos deles. Você não precisa servir cafezinho, mas aja educadamente caso cruze com um deles no corredor do colégio ou da sua casa.

9. Se a sua irmã emprestou aquela blusa que você tanto queria, por que negar a ela suas maquiagens? Mesmo no caso dela ter te negado algo, que tal você dar o primeiro passo e abrir mão do egoísmo? Tenha certeza que ela pensará duas vezes antes de dizer não novamente.

10. Preserve-o na internet. Taguear aquela foto de criança que você sabe que ele odeia ou atualizar seu status contando pra todo mundo que ele foi mal nas provas não é legal. Você não gostaria que ele fizesse o mesmo, né?

Está prestes a ficar maior de idade? Dá só uma olhada nas situações que você são comuns nessa idade!

1- Agora você pode entrar na balada, gente! \o/

Reprodução

2- Responsabilidade mode on: não é porque você já pode comprar bebida sozinha que deve beber demais, ok? Saiba dizer não na hora certa! Fique esperta com os perigos do alcoolismo!

Reprodução

3- Agora você pode votar e ajudar a mudar o Brasil, girl!

Reprodução

4- Mas tome cuidado para não eleger um mané!

Reprodução

5- Você finalmente vai poder entrar na faculdade e seguir a carreira dos sonhos.

Reprodução

6- E fazer novas amizades inacrês!

Reprodução

7- Tudo bem que agora você pode até conseguir mais liberdade em casa, mas...

Reprodução

8- ...nada de achar que seus pais não servem mais pra nada, combinado?

Reprodução

9- Agora que a escola acabou, você pode fazer um intercâmbio de inglês mais longo. 

Reprodução

10- Você pode tirar carta finalmente! \o/

Reprodução

11- Mas ao mesmo tempo bate aquele medo de dirigir um carro na auto-escola, né?

Reprodução

12- Assim que a faculdade começar, você já pode procurar um estágio e ter a própria grana!

Reprodução

13- Agora você pode ter a sua própria conta e o seu cartão!

Reprodução

14- E adquirir mais responsabilidade com a sua grana. Nada de sair por aí gastando horrores, hein!

Reprodução

15- Ok, você já fez 18 anos! Mas não é por isso que a criança dentro de você deve morrer! ;)

Reprodução

16- Você vai começar a rever os seus gostos musicais, mas continuar amando aquele seu ídolo da infância. 

Reprodução

17- Que tal fazer uma superfesta para comemorar? Pode ser na sua casa mesmo! Reúna as amigas, compre comidinhas gostosas, coloque um DVD de um filme bacana e arrase! ;)

Reprodução

18- E o mais importante: a melhor época da sua vida está começando agora! Aproveite muuuuito! :D

Reprodução

 

 

Dicas e truques práticos para melhorar o seu relacionamento em casa

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

- Maneire nas críticas. Mesmo que perceba algo em sua mãe que não lhe agrade, diga isso a ela como diria a uma amiga, com todo o cuidado para não magoar. Afinal, mãe não é saco de pancadas, né?

- Pegue leve nas exigências. Lembre-se de que ela também tem dores, dificuldades e problemas. Por isso, nem sempre estará disponível para ajudar você a resolver os seus dramas.

- Da mesma forma, ao perceber que sua mãe está num dia complicado, esqueça um pouco as coisas do seu interesse e coloque-se à disposição dela, para ajudar. Não é assim que você gostaria de ser tratada? 

- Tente não ver todos os comentários que ela faz como palpites ou críticas. Na maioria das vezes, só está querendo ajudar. Mesmo! 

- Desista de convencer sua mãe a aceitar o seu jeito de ver o mundo. Apenas aceite-a do jeito que é, e coloque também os seus argumentos, numa boa.

- Evite gritarias, xingamentos e qualquer tipo de resposta agressiva. Em geral, nada justifica desafiar a autoridade da sua mãe dessa forma.

- Se quiser mais liberdade, demonstre que tem mais responsabilidade e maturidade do que seus pais imaginam. Em alguns casos, é preciso fazer um investimento antes para receber o benefício depois.

O maior evento de horror da América Latina começa na próxima sexta (15)

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A Hora do Horror, o maior evento de terror da América Latina, começará esta semana no Hopi Hari, em São Paulo. A 13ª edição do evento terá como tema A Loja de Brinquedos e promete mostrar aos visitantes bonecas macabras e brinquedos beeem sinistros. Ai, que medo!

Entre as atrações sombrias estão o Manicômio e vários monstros espalhados pelas ruas de Wild West, prontos para aterrorizar os visitantes. 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A Hora do Horror 2014 vai rolar no parque até novembro. O ingresso antecipado pode ser adquirido pelo site oficial do Hopi Hari e custa R$ 79,00. Na bilheteria, custa R$ 89,00. 

Saiba o que fazer com aquela garota que se diz sua amiga

Ilustração: Isabela Santos

Ilustração: Isabela Santos

“Uma amiga começou a se aproximar de mim há pouco tempo, só que ela é superfalsa! Eu namorava um garoto e a gente terminou, mas ainda gostávamos um do outro e ficávamos grudados o tempo todo. Por algum motivo, começamos a nos afastar e eles dois se aproximaram. Ela fica jogando na minha cara que eles estão juntos e que já gostava dele quando nós ainda namorávamos. Ainda sinto algo por ele, o que eu faço?” - A.D., 16 anos, São Paulo – SP

Oi, A., a primeira pergunta, superimportante, que você tem que se fazer é: ‘O que aprendi com isso?’. A sua atitude daqui pra frente vai depender dessa resposta, pra evitar que essas atitudes se repitam, tanto da sua amiga quanto do seu ex-namorado. Se você perceber, por exemplo, que essa menina é falsa, faz sentido mantê-la por perto e considerá-la amiga? A segunda pergunta é: o que exatamente você sente por ele? Será que ainda gosta do garoto ou, na real, está magoada por ele estar com a menina? Se você realmente gostar dele e não se tratar apenas de orgulho ferido e daquela dorzinha de cotovelo que deixa a gente tão pra baixo, encha seu coração de confiança e fale com o menino, mas sem criar muitas expectativas! Fale apenas para ele saber a sua versão da história e ouvir a verdade dele. Pode ser que não dê em nada, mas ao menos fica um pouco mais fácil desencanar e seguir a vida, deixando os dois pra lá. Ou então, pode ser que ele já tenha percebido que a garota é falsa e que ele ainda gosta de você.

Por Mariana Viktor, jornalista e coach pessoal e de relacionamento

Imagina que tenso passar um mês sem poder trocar uma mensagem sequer no WhatsApp? A leitora Thays topou esse desafio e descobriu que o mundo fora do app pode ser muito interessante!

Recruta: Thays Larissa de Souza Nascimento
Idade:
15 anos
Desafio:
ficar um mês sem o WhatsApp
Onde mora?
Cotia, SP

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

“Preciso confessar que quando a Atrê me propôs esse desafio fiquei em dúvida e com um pouco de receio de aceitar. Não posso negar que o WhatsApp é (ou era) o meu maior vício! Mas como desafios são sempre bem-vindos, decidi ver como me sairia.

O primeiro passo foi avisar a todos os meus amigos que ficaria um mês fora do app. Só que eles resolveram me torturar na primeira semana, mexendo nele na minha frente e falando: ‘Thays, mandei uma mensagem. Por que você não me responde?’. Ótimos amigos, né?

No começo foi difícil, porque tenho uns grupos bem legais. Por exemplo, tem um de meninas que vão comigo ao show da One Direction e eu passava muuuito tempo conversando com elas. Ficar longe desse grupo foi chato e eu senti falta, mas ainda bem que existem outras redes sociais (obrigada, Twitter! <3).

Pensei que não conseguiria ficar fora do Whats e que sempre daria uma olhadinha no que as pessoas estavam me mandando, mas depois de uns três dias nem estava fazendo mais tanta diferença. Dediquei-me a outras atividades, como, por exemplo, ler a biografia do Harry Styles inteira! Terminei de ler outro livro que estava empacado na minha prateleira e acabei comprando um novo. Também passei a acompanhar mais os meus ídolos nas redes sociais e adorei ficar ligada em tudo o que acontece com eles.

Nunca tinha reparado o quanto o WhatsApp me prendia até ficar longe dele. Mas depois desses dias, decidi passar menos tempo nele e mais tempo fazendo outras coisas. É claro que acompanhar o site da Atrê está incluído na minha lista! ;)”

Conclusão da Thays
Com esse desafio percebi que a tecnologia está nos prendendo tanto que ficamos vidrados em nossos smartphones e acabamos esquecendo de fazer coisas legais. Temos que nos desapegar um pouco e ver mais o que está em nossa volta. Tenho certeza que muitas leitoras, assim como eu, já perderam oportunidades enquanto estavam com os olhos em seu celular.

Chegou a hora de colocar o seu plano para sair da bad em ação!

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

1. Descubra o que realmente está acontecendo
Se tiver algo errado com você ou com alguém que você ama, tente saber o máximo que puder sobre o problema. Se um amigo seu está envolvido com drogas, por exemplo, converse com a galera que está mais próxima dele, para saber até que ponto o garoto está realmente encrencado. Por outro lado, se você acabou de descobrir uma doença, converse com um médico em que você confie e tire todas as suas dúvidas. “Muitas vezes a gente fica fantasiando e até aumenta o tamanho do problema na imaginação”, explica Marcela.

2. Procure ajuda
Não seja tão dura e cruel consigo mesma, nem pense que pode resolver todos os seus problemas sozinha. Sempre que achar necessário, procure alguém de confiança para desabafar e dizer como está se sentindo. Pode ser com a best, com algum parente, com um adulto que a deixe à vontade para papear... Tanto faz! O importante é dividir as suas angústias com alguém! “Quem guarda as suas preocupações dentro de si mesmo dificilmente vai conseguir chegar a uma boa solução”, alerta a especialista.

3. Marque um horário com um psicólogo
Se desabafar com alguém de confiança não tem sido o suficiente para você se sentir melhor e aliviada, e se o seu desânimo só cresce, a solução é pedir ajuda para um profissional. Explique para os seus pais que está meio triste e confusa e que gostaria de conversar com um psicólogo. Outra coisa que é legal você saber: hoje em dia, muitos convênios oferecem esse tratamento sem custo algum. Taí mais um motivo pra você aproveitar essa chance o quanto antes!

4. Confie em si mesma
Você não precisa saber exatamente qual é a saída para os seus problemas. Mas precisa buscar isso, usando todas as ferramentas que possui. Estamos falando da sua força de vontade, do seu amor por você mesma, pelas outras pessoas e pela vida. É isso o que vai empurrar você pra frente, até chegar onde deseja.

5. Tire um tempo pra você
Toda situação complicada nos traz desafios e lições importantes. Mas tem uma coisa: você só vai tirar proveito dos seus problemas para crescer e se tornar uma pessoa melhor se parar pra pensar a respeito. Na prática, não adianta muito se sentir a vítima e morrer de pena de si mesma. É preciso encarar o que a nova situação lhe trouxe de bom e de ruim e seguir adiante apesar disso tudo. É como escrever uma nova história. Só que, dessa vez, com final feliz.

Descubra em que nível está o seu amor-próprio

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

“Minha autoestima oscila bastante. Às vezes acordo me achando a pior pessoa do mundo, porque o garoto que eu gosto não gosta de mim, ou acho que meu nariz está maior! Mas às vezes estou bem comigo mesma, não ligo para o que as pessoas acham de mim. Sempre estou buscando inspiração para me sentir melhor. Ouço músicas dos meus cantores preferidos, vejo o que eles dizem em relação a isso e me sinto melhor.” - G.J., 15 anos

A especialista diz: Para melhorar a autoestima não adianta forçar um pensamento positivo artificial. Precisa mudar a autoimagem, que não é sua imagem no espelho, mas a forma como você se vê, as coisas que pensa e sente sobre si mesma. Se você se acha desinteressante e insegura, essa é sua autoimagem e ela vai influir diretamente na sua autoestima. Pra mudá-la, feche os olhos, visualize numa tela de cinema imaginária um filme ou imagem de você numa situação em que se sente desinteressante e insegura, e comece a mudar os detalhes da cena: se está encolhida, fique ereta; se está sozinha num canto, venha pro meio do cenário e interaja com outras pessoas, sentindo-se autoconfiante; se está triste, ponha um sorrisão na cara... Vá mudando a imagem até que ela fique como você quer. Faça esse exercício todos os dias por pelo menos um mês. Verá como sua autoimagem real vai melhorando aos poucos, e com ela a sua autoestima vai subir também!

Sim, a gente ama o inverno demais! Mas, ao mesmo tempo, temos que nos deparar com diversas situações nem tão legais. Dá só uma olhada!

O maior sinal da chegada no inverno é a querida alergia e gripe atacada, né? 

Reprodução

Isso é o que acontece quando você está indo para a escola nas manhãs do inverno:

Reprodução

E aí a sua pele começa a ficar ressecada? Por favor, naaaaaaaaaaao!

Reprodução

Isso é o que acontece quando você tenta ir pra balada no frio:

Reprodução

Situação mais comum de todas: se sentir como um boneco de neve por causa da quantidade de roupas que está usando! #socorro

Reprodução

E quando chega o período de garoas intermináveis, as ruas ficam tipo...

Reprodução

E aí, você e suas amigas tentam ir até o shopping em um dia extremamente frio:

Reprodução

E isso é o que acontece quando você tenta atravessa uma rua:

Reprodução

E aí a previsão do tempo avisa que o tempo pretende ficar... MAIS FRIO! OMG!

Reprodução

Mas pense pelo lado bom: existe época melhor para ficar agarradinha no boy? <3

Reprodução

A gente entende você, menina tímida! Quer ver só?

Aquele momento em que o boy mais gato da sala olha pra você! #ondeenfiominhacara

Reprodução

Aquele momento em que a professora pede para você ler a sua redação na frente da sala toda!

Reprodução

Aquele primeiro dia em uma escola nova com pessoas que você não conhece.

Reprodução

Aquele dia em que o seu professor de matemática faz uma prova oral *não chama meu nome*

Reprodução

Aquele momento em que você escolhe manter o seu namoro online apenas... online!

Reprodução

Aquele momento em que o garoto mais bonito da balada vem perguntar o seu nome.

Reprodução

Aquele momento em que você pega elevador com um desconhecido. E vocês dois estão indo para o 30º andar. OMG!

Reprodução

A gente é tímida mesmo e não temos vergonha disso, né? Alguém disse vergonha?

Reprodução

O assunto é abordado nas novelas, nas séries, nos filmes... Mas será que o preconceito contra homossexuais está diminuindo? Fomos atrás das nossas leitoras pra descobrir a opinião delas

Foto: Reprodução

Brittany e Santana já formaram um casal na série Glee | Foto: Reprodução

“Não sou homossexual, mas acho muito importante falar sobre isso. Alguns conceitos da sociedade estão muito atrasados. Para mim, independentemente de quem se goste, se há amor é o que importa. Amor é algo de que o mundo anda precisando e não há razão para distribuir ódio apenas porque não concordamos com o modo com que o outro ama! No fim das contas não devemos seguir um padrão para sermos aceitos. Devemos fazer o que achamos certo para conseguirmos ser do jeito que queremos.” - A.M., 17 anos

“Tenho 22 anos e sou lésbica. Não foi fácil me assumir, até que minha mãe um dia me disse que se eu fosse gay e fosse feliz, ela também seria feliz. Também falou que estaria do meu lado. Uma semana depois eu contei a ela que era lésbica e ela me abraçou e me apoiou. Toda a minha família aceitou muito bem a notícia. Acho que preconceito é algo bobo. As pessoas deveriam saber mais sobre o assunto antes julgar. Elas deveriam se perguntar: ‘e se o mundo fosse gay? Como seria se eu fosse hétero em um mundo gay?’. O pior é acharem que homossexualidade é doença e ficarem tentando curar quem não está doente...” - T. S., 22 anos

A especialista diz...
“Antes de afastar-se da melhor amiga por descobrir que ela é lésbica, vale perguntar o que fez você considerá-la sua BFF: as qualidades dela ou a suposição de que é hétero? Com certeza ela não é sua BFF pela segunda opção. Já reparou que o preconceito está diminuindo a ponto da homossexualidade feminina virar até modinha, mas a reação de quem considera as relações homoafetivas um erro, doença ou pecado continua acirrada? Daí que é importante conversar sobre o assunto, até para identificar nosso próprio preconceito, seja o que se esconde por trás de um discurso liberal tipo ‘não tenho nada contra os homossexuais desde que fiquem longe de mim’, seja na tendência de julgar preconceituosamente quem ainda tem dificuldade de aceitar a homossexualidade. Observando mais de perto a questão, o que chama atenção é que os preconceituosos também são contra demonstrações heterossexuais de afeto: ‘Por que eles não vão se agarrar e se beijar em casa?’ Talvez o que incomode, no fundo, seja ver a expressão do amor dos outros quando não se sabe amar.” - Por Mariana Viktor, coach pessoal e de relacionamento (http://www.euenos.com.br ).