Assine

Descubra o que acrescentar e retirar do seu cardápio nos dias tensos de provas

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

No próximo fim de semana, milhões de estudantes farão o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). A gente sabe como os dias que antecedem as provas são tensos e, por isso, a Atrê selecionou alguns alimentos que podem ser acrescentados (ou retirados) do seu cardápio. Você vai ficar calminha, calminha e arrasar nos testes. 

Antes da prova:

- O ideal é que a alimentação balanceada comece um dia antes das provas, já que isso terá reflexo durante o Enem. Procure comer alimentos leves e que dão energia, como pães integrais, peito de peru, queijo branco ou até um prato de salada. 

- No café da manhã no dia da prova, opte por frutas e alimentos ricos em fibrar e carboidratos. Antes de ir fazer a prova, faça um lanche leve ou parta para um prato de saladas variadas. 

Durante a prova:

- Não deixe de levar algumas guloseimas no dia da prova, afinal são quatro horas e meia no primeiro dia e cinco horas e meia no segundo. Leve barrinhas de cereal, que podem ser bem energéticas. Se o dia estiver muito quente, evite barras de chocolate, já que, além de gordurosos demais, eles podem derreter com o calor. Se preferir, frutas também são uma ótima opção. 

- Não se esqueça de levar uma garrafinha de água. A falta de hidratação pode causar sonolência, porém, evite os refrigerantes, já que eles podem causar estufamento. Sucos também são uma boa dica. 

Depois da prova:

- Depois da maratona de testes, se jogue nos alimentos para repor as energias. Aposte nos graões, cereais, verduras, massas, arroz e frutas em geral. 

Evite: 

- Nos dias de Enem, evite comer em fast-foods e procure se alimentar sempre em casa, evitando comidas que você não sabe a procedência. É bom evitar qualquer indigestão nos dias de prova, né?

A Bianca Barreto, de 16 anos, sonha em ser dermatologista. Afinal, quem não quer ser médica e, de quebra, ajudar as pessoas a se sentirem mais bonitas? Antes de ela preencher a inscrição para o vestibular, tiramos todas as suas dúvidas aqui!

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Como é o processo para se tornar dermatologista? Quais cursos precisam ser feitos?
São necessários seis anos de graduação em Medicina e depois mais três anos de especialização em Dermatologia. Essa especialização pode ser residência ou pós-graduação, mas o mais importante é que seja reconhecida e credenciada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), assim você tem certeza de que está recebendo o melhor treinamento para se tornar uma dermatologista capacitada.
Outro passo importante é, ao final da especialização, fazer a prova do TED para obter o Título de Especialista em Dermatologia. Parece muita coisa, mas se você realmente curtir a profissão, vai valer a pena!

Quais as características de personalidade importantes em uma boa profissional?
Você deve ser estudiosa, atenciosa, cuidadosa e boa observadora. E muito responsável também!

Sou apaixonada por cosméticos! De que forma as dermatologistas trabalham no desenvolvimento deles?
As brasileiras são realmente apaixonadas por cosméticos e, por isso, somos hoje o terceiro país com maior consumo desses produtos, só perdendo para os EUA e o Japão. E cada vez mais, os médicos estão realizando estudos na tentativa de provar cientificamente os resultados de algum novo princípio ativo.

Em quais áreas a dermatologista pode trabalhar? Como é o mercado para esta área aqui no Brasil?
A dermatologista pode atuar em clínica, no tratamento de doenças dermatológicas, na parte de cosmiatria estética (fazendo procedimentos como peelings, por exemplo) e também na parte de pequenos procedimentos cirúrgicos. As áreas de cosmiatria e cirurgia foram as que mais cresceram
nos últimos anos, principalmente com as novas tecnologias de lasers.

Como é o dia de trabalho de uma dermatologista? 
Você pode optar por trabalhar em uma instituição de ensino credenciada à SBD e participar da formação de novos especialistas indo mais para o lado acadêmico da profissão, trabalhar em postos de saúde e hospitais com ambulatórios, seguir a carreira privada com consultório particular ou ainda misturar todas essas oportunidades.

É importante falar outras línguas nesta profissão? Quais são?
No mínimo, é preciso ter o inglês, para acompanhar as literaturas e congressos internacionais.

Qual é o melhor e o pior lado da profissão?
O lado bom da medicina é poder ajudar alguém; é ver o paciente evoluir, ficar satisfeito com o tratamento e, no caso da dermatologia, melhorar a autoestima, pois sabemos que muitas dermatoses (doenças da pele) sofrem preconceito. O lado ruim é que a demanda de tempo é muito grande, então, às vezes, sobra pouco tempo para o lado pessoal, mas basta administrar bem a rotina para tudo fluir!

Quem deu as dicas: Renata Proubel, dermatologista do Studio Menoli, e Vanessa Metz, dermatologista, sócia efetiva da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e membro da Academia Americana de Dermatologia (AAD)

Se liga nas dicas da Atrê e garanta uma prova tranquila

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Com o Enem 2014 chegando, a ansiedade fica a mil, né? A rotina de estudos para as provas podem diminuir as horas do sono e até fazer você perder peso, o que contribui ainda mais para aumentar o nervosismo no grande dia. Pensando nisso, a Atrê preparou algumas dicas para você seguir, relaxar e arrasar na prova. Anota aí:

- Não adianta se matar de estudar, girl. O ideal é que você divida o seu tempo entre estudos, descanso, momentos de lazer e, é claro, o sono. Privar as horas de repouso contribuem ainda mais para o aumento da ansiedade no dia da prova. Enquanto estiver fazendo o Enem, se não conseguir resolver alguma questão, nada de ficar irritada. Pause um pouco, beba um pouco de água, respire fundo e volte a fazer a prova tranquilmanete, combinado?

- O nervosismo e a ansiedade para a prova liberam adrenalina no seu organismo, então, que tal praticar algum exercício físico para queimar essa energia extra? Você pode optar por ir correr com as amigas, fazer natação, ir à academia... Tudo para ficar tranquila e relaxada no grande dia - e ainda garantir um corpitcho inacrê para o verão, né? ;)

- Treine a sua concentração. Procure fazer simulados e responder as questões da prova de anos anteriores. Isso vai te dar uma noção de como é o Enem, além de treinar o seu foco e evitar grandes surpresas no grande momento, né? 

- Procure se alimentar bem na semana da prova. Coma coisas leves como arroz integral, peixe ou frango assado ou grelhado, saladas, frutas, e não se esqueça de levar algo para comer enquanto faz o teste, como um chocolate ou uma barra de cereal. Ah, não se esqueça de uma garrafinha de água, ok?

- Faça alongamentos. Antes de entrar na sala da prova, se alongue e se prepare fisicamente para as horas de teste que estão por vir. O esforço mental exige muito do seu corpo, portanto, o deixe preparado, certo?

E aí, pronta para o Enem? #siiim

A temporada de vestibulares está chegando! Será que você está preparada fazer a prova e entrar na faculdade?

Faça o Teste

A Atrê selecionou quatro profissões que têm de tudo para ser a tendência dos próximos anos

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Com as novas tecnologias, algumas profissões devem crescer nos próximos anos e podem ser uma boa oportunidade para quem está ingressando no mercado de trabalho. Confira algumas áreas que prometem ser uma boa aposta:

Sustentabilidade
Com a necessidade de “pensar verde”, a área de sustentabilidade está buscando talentos. Cursos em engenharia ambiental, química e biologia estão cada vez mais disputados pelas possibilidades que abrem no mercado de trabalho, como o ramo de gestão de ecorrelações, resíduos e ambientais.

Saúde e qualidade de vida
Biotecnologia, gestão em qualidade de vida e outras profissões focadas em saúde estão em alta. Isso porque a expectativa de vida no País vem crescendo, assim como o número de profissionais que trabalham para proporcionar qualidade durante todas as fases da vida. Por isso, prestar medicina não sai da moda! Mas existem outros cursos nessa área, como enfermagem, fonoaudiologia e farmácia, que também abrem diversas possibilidades.

Digital
Profissões como analista de mídias digitais, e-commerce e cloud computing estão absorvendo muitos profissionais vindos da área de marketing, comunicação e tecnologia da informação. Isso acontece porque as empresas estão cada vez mais investindo no digital, abrindo oportunidades para quem se interessa pelo setor.

Agronegócio 
O setor do agronegócio abre diversas possibilidades por ir desde a produção de alimentos até a área de máquinas e fertilizantes. Com uma busca maior pela melhora na produção de alimentos e o Brasil sendo um país de destaque na inovação, o mercado vem crescendo e ficando cada vez mais promissor. Cursos como agronomia, engenharia agrícola e de alimentos e até mesmo veterinária podem ser uma boa opção para quem quer trabalhar nesta área.

O Exame Nacional do Ensino Médio está próximo! Será que você está pronta para arrasar na redação?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Na hora do vestibular, você precisa se preparar não somente para as perguntas objetivas, mas também para a redação. Ela é tão ou até mais importante do que as questões da prova, porque avalia seu modo de se expressar e organizar as ideias. Confira nossas dicas e arrase na hora de escrever o seu texto.

- Antes de começar a escrever, pense bem na proposta da redação e organize suas ideias. Faça um roteiro com os fatos, argumentos e soluções que pretende abordar no texto e siga esse rascunho na hora de escrever.

- A redação de vestibular costuma solicitar um texto dissertativo-argumentativo. Por isso, não basta expor os fatos: é fundamental emitir sua opinião com argumentos concretos. Expressões como “eu acho” e “eu acredito” são dispensáveis. Se o texto é opinativo, é claro que aquilo é o que você acha!

- Também tenha cuidado com a gramática, utilizando sempre a norma culta da língua. Evite gírias ou outras marcas de oralidade. Nada de escrever “vc” ou “tb” na redação!

- Tome cuidado para não fugir do tema. Suas propostas e argumentos devem estar em sintonia com o assunto proposto. Não adianta fazer colocações interessantes se elas não têm nada a ver com o tema, né?

- Tenha estilo próprio. Pode ser difícil desenvolvê-lo no começo, mas o treino constante vai acabar facilitando esse processo. Os avaliadores gostam de identificar isso na redação.

- As dissertações normalmente exigem conhecimentos gerais. Por exemplo, se você deve emitir sua opinião sobre a Primavera Árabe, é fundamental entender o que foi esse fato histórico, né? Sem esse conhecimento, sua redação vai ficar vazia e superficial. Leia muitos jornais e sites de notícias para se manter atualizada.

- Fuja dos clichês típicos em dissertações. Expressões como “abrir com chave de ouro”, “antes de mais nada”, “inserido no contexto”, “é preciso ter consciência...”, etc. são cansativas e deixam o texto pobre.

- Usar gírias não é legal, mas exagerar na formalidade também não é uma boa solução. Usar palavras difíceis ou linguagem muito rebuscada tira a naturalidade e fluidez do texto. Não pense que isso vai impressionar o avaliador, pelo contrário! Um texto bem escrito, mas pobre em conteúdo, não
garante uma boa nota.

- Não construa frases muito longas e sem pontuação. As frases simples dão clareza ao texto.

- Leia muito! Leia de tudo, de notícias a histórias de ficção. O hábito da leitura a ajuda a construir seu próprio estilo de escrita e aumenta seu repertório de palavras, além de acrescentar cultura geral. Quem lê muito costuma escrever bem.


- O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está se tornando um importante instrumento de avaliação em diversas faculdades. A redação vai pedir um texto dissertativo, com no mínimo 15 linhas, que apresente uma solução para um problema abordado. O tema normalmente é um problema social atual. Mande bem nessa prova!

Quer se divertir enquanto estuda? Se liga nas dicas da Atrê!

Se você curte passar horas no YouTube, saiba que dá para se divertir, revisar o conteúdo das matérias e ainda aprender coisas novas com canais inacrês!

Chonpsbio

Exercícios de biologia e genética a deixam de cabelo em pé? Conte com as dicas do professor Dorival Filho, que tira todas as dúvidas no canal Chonpsbio. Para quem pretende seguir na área de biológicas, ele já adianta algumas aulinhas de bioquímica.

Vestibulândia

Neste canal você encontra aulas bem bacanas de matemática, inclusive com resolução de algumas questões do Enem. Se o seu problema são as exatas, vale dar uma espiadinha!

Redação e Gramática Zica

Uma boa redação é fundamental para arrasar no Enem – e no vestibular também. Neste canal superdivertido, a professora Pamba dá dicas preciosas para escrever melhor e tirar 10 nos textos.

Física Total

O professor Ivys Urquiza responde questões de física de um jeito bem descontraído. A série de vídeos sobre o Enem, em parceria com outros canais do YouTube, é imperdível!

Química em ação

Tire as suas dúvidas de química no canal do professor Paulo Valim. Além do YouTube, o professor tem um site e uma página no Facebook, ambos cheios de dicas para arrasar no vestibular.

Canal do prof. Tiago Menta

Entenda mais sobre história com as aulas do prof. Tiago Menta. Tem vídeos sobre todos os assuntos, de Revolução Russa até História da China!


Saiba que fazer uma faculdade em outro país não é coisa de outro mundo

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

Se você está com várias dúvidas sobre se pode ou não fazer uma faculdade fora do País, pode ficar tranquila que a Atrê vai acabar com todas elas. Hoje em dia, fazer um curso de graduação em outros países não é nada tão complicado assim. As grandes universidades gringas têm planejamento para receber alunos estrangeiros e até conceder bolsas de estudos de acordo com as notas do aluno no ensino médio. Dá só uma olhada nas nossas dicas para você embarcar nessa!

Faculdades estrangeiras
Se você decidiu mesmo estudar fora do Brasil, o próximo passo é escolher o país e a faculdade que quer ingressar. Primeiro, vale pensar que cada país tem uma época de matrícula. Por exemplo, nos Estados Unidos, as aulas começam em agosto, assim como na Austrália e no Canadá. Já no Reino Unido, França e Alemanha as aulas têm início em setembro. Para todos os casos, o processo deve começar entre um ano e seis meses antes da data. Outra coisa muito importante é saber se a faculdade que escolheu é realmente boa. Há rankings internacionais de qualidade de ensino que mostram quais instituições são mais bem reconhecidas. Dê uma olhada nesse nesse site para tirar suas dúvidas.

A escolha dos cursos
As matérias que podem ser cursadas geralmente constam no site das universidades. Você também precisa entender que o sistema educacional estrangeiro é diferente do brasileiro. Na maioria dos cursos, há um ano chamado de “foundation year”. É um período de adaptação para que você se prepare para acompanhar o ritmo das aulas. Por isso, exige um comprometimento maior do aluno. É você quem vai montar seu currículo e isso requer responsabilidade para saber o que é melhor para sua educação. Quando o estudante volta ao Brasil, depois de realizar um curso superior, ele precisará fazer um procedimento de revalidação do diploma expedido no exterior. Essa revalidação deve ser solicitada nas universidades públicas brasileiras que ofereçam um curso igual ou similar ao cursado no exterior.

Bolsas de estudo
Já imaginou fazer o curso dos sonhos com bolsa de até 50%, incluindo acomodação e alimentação? Essa possibilidade existe, sim! Se você tem aptidão para alguma modalidade de esporte, como futebol ou vôlei, pode pedir na universidade uma bolsa para cobrir uma parcela das despesas. Também existem as bolsas por histórico escolar. Se você teve um bom desempenho nas notas durante os três anos de ensino médio, também poderá conseguir um desconto. 

Como ir
O processo para se inscrever não é burocrático, mas exige documentação que comprove nível de inglês avançado (mínimo IELTS 5.0), um bom desempenho acadêmico durante o ensino médio, além de cartas de referência que sempre podem ajudar. Você também precisará reunir todos os documentos escolares e traduzi-los para a língua do país da faculdade. Cartas de recomendação de professores e orientadores são sempre um a mais. É possível abordar a escola diretamente ou utilizar uma agência de intercâmbio para isso. Comissões de alguns países também fazem essa orientação, como EUA (educationusa.org.br), Inglaterra (educationuk.org), França (brasil.campusfrance.org) e Canadá (educationau-incanada.ca).

Quanto custa
Nos Estados Unidos, a média anual é algo em torno de R$ 60 mil. O preço inclui acomodação e alimentação no campus. Na Inglaterra, a anuidade varia entre R$ 10 e 30 mil. Em outros países, como Alemanha e França, o estudo é subsidiado pelo governo, o que pode diminuir consideravelmente os custos, principalmente para aqueles que possuem cidadania europeia.

Quem deu as dicas: Renata Santana, gerente de Educação Internacional do STB. 

Pensa em fazer Rádio e TV na facu? Fique por dentro da profissão!

Ilustração: Jorgebin

Ilustração: Jorgebin

Por Carolina Porne

A Bárbara Leite, de 17 anos, é nossa leitora e gostaria de cursar Rádio e TV. Mas, assim como você, ela está cheia de dúvidas sobre o curso e a carreira. Sendo assim, fomos atrás das respostas para as perguntas dela e, talvez, para as suas também. Confira!

O curso de Rádio e TV é mais teórico ou mais prático?
Um bom curso de Rádio e TV deve equilibrar técnica, linguagem e conteúdo. A segunda parte do curso é muito prática: você irá produzir programas de rádio e de televisão, montar cenários e aprender a operar uma câmera e outros equipamentos. Mas é fundamental conhecer as teorias da Comunicação e as questões éticas da profissão antes.

O que exatamente um profissional de Rádio e TV faz?
Quem se forma em Rádio e TV pode requerer o DRT Pleno de radialista diplomado, que dá o direito de exercer diferentes funções de qualquer uma das etapas de realização audiovisual. O radialista entende as técnicas e atividades relacionadas à criação, produção e direção de programas de rádio, de televisão, produtos para internet ou para mídias alternativas e cobertura de eventos. Ele é preparado para trabalhar com diferentes gêneros de programas: ficcionais, informativos, humorísticos, esportivos, entretenimento, etc. O radialista também pode escrever roteiros, operar microfones e mesas de som, utilizar câmeras de vídeo e equipamentos de iluminação, gravar imagem e som em estúdios e em externas, montar as sequências que foram gravadas, aplicar efeitos, fazer vinhetas, esquematizar coberturas de eventos e transmissões ao vivo.

Qual é a diferença entre os cursos de Rádio e TV e Audiovisual?
Os cursos são bem parecidos. Algumas instituições optam por ter um único curso de Audiovisual que ofereça noções de cinema, rádio e TV. Outras universidades separam o curso de “Cinema” do curso de “Rádio e TV”. Um curso de “Audiovisual” ou de “Cinema” pode deixar de abordar questões específicas do mercado de rádio e televisão, como grade de programação, índices de audiência, controle de tempo, gravações multicâmeras, transmissões ao vivo, etc. Cursos de Cinema e de Audiovisual tendem a se concentrar em ficções e documentários, enquanto cursos de Rádio e TV abordam estes e outros formatos.

É possível unir Rádio e TV com jornalismo?
Sim! Existem profissionais formados em Rádio e TV trabalhando em programas jornalísticos. O profissional de Rádio e TV é preparado para propor e elaborar pautas, organizar e dirigir gravações de matérias em externas, auxiliar apresentadores de telejornais em gravações nos estúdios, apoiar repórteres em links ao vivo e ajudar na edição das reportagens.

Qual é a média de salário inicial?
O salário varia muito de acordo com a função exercida e o porte da empresa. Um assistente de produção começa ganhando em torno de R$ 1.400, porém há redatores e roteiristas que recebem em torno de R$ 10 mil mensais, enquanto um diretor de externas ou de programa pode ganhar até R$ 30 mil.

É fácil conseguir estágio na área?
Há muitas oportunidades em emissoras de rádio e TV, produtoras de vídeo, sites e portais, agências de publicidade e de eventos, instituições educativas e culturais, além de departamentos de comunicação de grandes empresas de diferentes áreas, mas é um mercado concorrido. Comece a procurar estágio a partir do 3º semestre de curso.

O inglês ou outra língua estrangeira abre portas nessa profissão?
Sim. Nesta, como também em outras carreiras, é um diferencial ter inglês ou outro idioma fluente. Além disso, o Brasil é referência na produção audiovisual e exporta programas para muitos países #ficaadica

Quais livros são bacanas para quem quer aprender mais sobre a área?
Procure A televisão levada a sério, de Arlindo Machado ou Manual urgente para radialistas apaixonados, de López Vigil.

Se você anda com dúvida sobre como escolher a profissão que tem mais a sua cara, a Atrê preparou 10 dicas que vão ajudar muito nesta decisão

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Não, não é fácil escolher qual profissão seguir. São milhares de possibilidades de cursos, faculdades e áreas existentes. Para você começar a pensar no assunto e ver que essa decisão não é um bicho de sete cabeças, a gente preparou um guia com dez dicas que vão deixar esse momento muito mais de boa para você. Dá só uma olhada!

Investigue seus gostos e aptidões
Quais são as aulas que você mais gosta na escola? Começar a procurar as áreas que você mais se identifica é um jeito de vislumbrar profissões possíveis. Comece a reparar se você se amarra mais em escrever, fazer contas ou desenhar. Também vale pensar o contrário, quais são as matérias que você detesta? Assim, será possível delimitar o número de profissões possíveis. Ter menos ou mais interesse por determinada disciplina está diretamente ligado à sua futura escolha profissional.

Ouça opiniões, mas saiba que a escolha é sua!
Conversar com seus pais é fundamental. Eles vão ajudá-la a ver as possibilidades e podem até introduzir as profissões deles para mais perto de você. Mas lembre-se que a decisão deve ser sua, pois não são eles que vão ter de aguentar anos estudando o que não gostam.

Vá atrás de profissionais da área de interesse
A melhor forma de saber se você se daria bem numa profissão é experimentando. Procure por meio da escola ou de seus pais uma forma de passar um dia com um profissional da área que você tem interesse. Só assim você vai poder ver de perto se a rotina tem a ver com o que planeja ou se é muito diferente do que estava imaginando.

Pesquise o mercado de trabalho
O Brasil tem cerca de 150 profissões universitárias possíveis! Novas profissões surgem todos os anos e, com elas, cursos universitários. Escolher uma profissão só porque ela está na moda aumenta as chances de se dar mal. Isso também vale quando se escolhe um curso só porque a amiga escolheu. Pesquise sobre as profissões que estão crescendo no momento e veja se você se identifica com elas. E não se preocupe se perceber que muitas pessoas querem fazer o mesmo curso que você, bons profissionais sempre têm espaço no mercado de trabalho.

Participe de programas de orientação profissional
Dentro de algumas escolas há o profissional de orientação vocacional que ajuda o estudante no processo de escolha da profissão. Essa ajuda também pode estar dentro de algumas universidades e até mesmo nos cursos preparatórios (os cursinhos). Mas não ache que um orientador dará uma resposta pronta. O trabalho dele é apenas dar outro ponto de vista para você conseguir se conhecer melhor e descobrir habilidades e aptidões.

Visite a futura faculdade
Muitas faculdades abrem suas portas para alunos do ensino médio. Exatamente para que eles possam vivenciar um dia dentro do curso que desejam se matricular. Quando for fazer essa visita, preste atenção no ambiente das salas e nos locais de convívio, como pátios e jardins. Também dê uma boa olhada na biblioteca e em outras instalações, como teatros e áreas esportivas. Procure descobrir como você pode fazer para conversar com o coordenador do curso. Ele é a pessoa mais preparada para dar todas as informações de que você precisa.

Não tenha pressa
Não é porque você está no último ano do ensino médio que é obrigada a decidir o que quer fazer na faculdade. Qual a diferença em se formar com 20 ou 22 anos? Você tem o direito de demorar o necessário para tomar a decisão consciente. Existem algumas saídas para quem quer esse tempo para pensar, como cursinho, intercâmbio e até mesmo trabalhos temporários. Faça uma decisão apenas quando tiver consciência dela.

Tudo bem mudar de ideia
É comum, mesmo depois de escolher um curso universitário, você se perguntar: é isso mesmo que eu quero? Muitos alunos acabam migrando para outras áreas, às vezes totalmente distintas, dentro da mesma faculdade. Também há a possibilidade de trancar a matrícula por um tempo determinado. Então, não se sinta culpada se perceber que deseja mudar de curso.

Esteja preparada para mudanças
No ensino médio os alunos são mais protegidos e possuem uma ligação muito forte com a escola e os professores. Na faculdade, os estudantes começam a ter responsabilidades que não tinham antes. Agora você vai ter de correr atrás dos trabalhos acadêmicos, estágios e horários. Como o ambiente é mais “livre”, você dependerá muito mais de você mesma.

Profissão x Carreira
Escolher o curso que você vai fazer na faculdade ajuda a delimitar a profissão que terá no futuro. Mas é importante saber que isso é bem diferente de ter uma carreira. Isso mesmo! Você pode cursar anos de um curso x, mas na hora de entrar no mercado de trabalho, acabará se deparando com outras áreas. Isso quer dizer que, se hoje você escolhe fazer Direito pensando em trabalhar como advogada, ao final do curso essa pode nem ser uma possibilidade para você. Basta olhar o mercado e ver quantas advogadas estão seguindo para a área pública, financeira ou de consultoria.

Quem deu as dicas: Patricia Patané, psicóloga e consultora em escolha profissional, e Tadeu Patané, especialista em profissões, ambos da Teenager Assessoria Profissional.

A Atrê te conta quais assuntos podem cair na prova mais disputada do ano

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O Enem é uma das principais provas que podem dar acesso às principais universidades do país, portanto, é preciso arrasar nas perguntas e na redação para conseguir uma boa colocação e entrar em uma boa facu, né?

Pensando nisso, a Atrê foi atrás dos assuntos que têm grandes chances de se tornarem o tema principal da redação, parte da prova que tem um grande peso na nota final do Enem.

Segundo a gerente de conteúdo da Universia Brasil, Alexsandra Bentemuller, um dos temas que pode ser escolhido é as Diretas Já. “Em 2014, o Movimento completa 30 anos, fato que o torna um possível tema para a redação”, contou ela.

A Copa do Mundo também pode estar presente na redação. Temas como Patriotismo, manifestações durante o Mundial, cobertura da mídia, ética dentro e fora do campo e racismo no futebol podem estar presentes.

Na hora em que for fazer a redação, fique atenta com o tempo e separe uma hora para se dedicar ao texto. Antes de passar a dissertação para a prova, faça um rascunho com os ajustes necessários e evite escrever em primeira pessoa. Fique ligada para não fugir do tema proposto com o decorrer do texto.

E aí, já está se sentindo preparada? Keep calm e bons estudos! ;)

Fique por dentro do dia a dia de uma profissional de moda

Foto: Rodrigo Takeshi

Foto: Rodrigo Takeshi

Trabalhar com moda não é só glamour e ostentar um guarda-roupa lotado de roupas incríveis, não. Tem que ralar bastante (e carregar muitas sacolas pra cima e pra baixo!). Interessou? Quem dá o caminho para o sucesso é a produtora de moda da Atrevida Michelle Harue.

O que um stylist faz? 
Basicamente, ele é o profissional responsável pelos looks dos editoriais de moda e do visual de algumas celebridades. Sua função é a de vender, seja uma determinada peça que entra em um editorial de moda de alguma revista ou valorizar a imagem do artista que está vestindo.

Para trabalhar com moda, o que é preciso estudar?
O ideal é cursar uma faculdade! Os cursos superiores são voltados para o design e negócios da moda, mas fornecem conhecimentos necessários de tecidos, modelagem, marketing e história da moda – conhecimentos imprescindíveis para atuar como stylist.

É indicado fazer uma especialização ou pós-graduação? 
Sim. Como as faculdades ainda não possuem uma formação específica para stylist, o ideal é se especializar depois com uma pós-graduação ou cursos livres e de extensão.

Em quais áreas dá pra trabalhar?
Quem tem formação em curso superior com especialização em styling e produção de moda pode atuar como designer, stylist, visual merchandising, desenvolvimento de produto... A área é vasta e tem bastante lugar para bons profissionais.

Quanto ganha um profissional em início de carreira?
É bastante variável. No começo da carreira, a maioria até trabalha sem remuneração para montar seu portfólio. Depois dessa fase, a média é de R$ 1.500 a R$ 2 mil no começo da carreira.

Qual é o papel de um stylist em uma produção de moda, por exemplo?
O stylist é responsável pela escolha e montagem dos looks e direção do profissional de maquiagem e cabelo. Tudo deve conversar para ter um resultado harmônico. Em algumas situações, ele também é responsável pela escolha das modelos e até do local das fotos.

Foto: Rodrigo Takeshi

Foto: Rodrigo Takeshi

E o que é um personal stylist?
O personal stylist é a pessoa que cuida do visual de uma determinada pessoa. Diferentemente do trabalho editorial, o trabalho do personal stylist é direcionado e exclusivo. E isso exige muita dedicação, pois ele precisa criar uma afinidade e conquistar a confiança do seu cliente.

Como começar na profissão depois de formado?
A melhor forma é procurar um stylist que já esteja no mercado e começar a trabalhar como assistente dele. Dessa forma, conhecerá a rotina e as pessoas do meio.

Quais habilidades é preciso desenvolver para se dar bem na profissão?
Organização, humildade, paciência e criatividade.

Quais os pontos altos e baixos da profissão?
Os pontos altos são: não ter rotina, conhecer muitas pessoas, viajar e conhecer em primeira mão todas as novidades que estão por vir na moda. Pontos baixos: administrar egos e a concorrência desleal. Para quem trabalha freelancer (os profissionais autônomos, que não têm emprego fixo) ainda tem a instabilidade financeira.

Como é o dia a dia de um stylist? 
Não existe uma regra nem rotina. Cada dia trabalho com uma equipe diferente em um lugar diferente. Por isso, ser organizado é essencial!

Qual a dica para alguém que quer seguir essa profissão?
Pesquise, se atualize e seja humilde! “Carão blasé” é muito anos 90!