Assine

Pensa em fazer Rádio e TV na facu? Fique por dentro da profissão!

Ilustração: Jorgebin

Ilustração: Jorgebin

Por Carolina Porne

A Bárbara Leite, de 17 anos, é nossa leitora e gostaria de cursar Rádio e TV. Mas, assim como você, ela está cheia de dúvidas sobre o curso e a carreira. Sendo assim, fomos atrás das respostas para as perguntas dela e, talvez, para as suas também. Confira!

O curso de Rádio e TV é mais teórico ou mais prático?
Um bom curso de Rádio e TV deve equilibrar técnica, linguagem e conteúdo. A segunda parte do curso é muito prática: você irá produzir programas de rádio e de televisão, montar cenários e aprender a operar uma câmera e outros equipamentos. Mas é fundamental conhecer as teorias da Comunicação e as questões éticas da profissão antes.

O que exatamente um profissional de Rádio e TV faz?
Quem se forma em Rádio e TV pode requerer o DRT Pleno de radialista diplomado, que dá o direito de exercer diferentes funções de qualquer uma das etapas de realização audiovisual. O radialista entende as técnicas e atividades relacionadas à criação, produção e direção de programas de rádio, de televisão, produtos para internet ou para mídias alternativas e cobertura de eventos. Ele é preparado para trabalhar com diferentes gêneros de programas: ficcionais, informativos, humorísticos, esportivos, entretenimento, etc. O radialista também pode escrever roteiros, operar microfones e mesas de som, utilizar câmeras de vídeo e equipamentos de iluminação, gravar imagem e som em estúdios e em externas, montar as sequências que foram gravadas, aplicar efeitos, fazer vinhetas, esquematizar coberturas de eventos e transmissões ao vivo.

Qual é a diferença entre os cursos de Rádio e TV e Audiovisual?
Os cursos são bem parecidos. Algumas instituições optam por ter um único curso de Audiovisual que ofereça noções de cinema, rádio e TV. Outras universidades separam o curso de “Cinema” do curso de “Rádio e TV”. Um curso de “Audiovisual” ou de “Cinema” pode deixar de abordar questões específicas do mercado de rádio e televisão, como grade de programação, índices de audiência, controle de tempo, gravações multicâmeras, transmissões ao vivo, etc. Cursos de Cinema e de Audiovisual tendem a se concentrar em ficções e documentários, enquanto cursos de Rádio e TV abordam estes e outros formatos.

É possível unir Rádio e TV com jornalismo?
Sim! Existem profissionais formados em Rádio e TV trabalhando em programas jornalísticos. O profissional de Rádio e TV é preparado para propor e elaborar pautas, organizar e dirigir gravações de matérias em externas, auxiliar apresentadores de telejornais em gravações nos estúdios, apoiar repórteres em links ao vivo e ajudar na edição das reportagens.

Qual é a média de salário inicial?
O salário varia muito de acordo com a função exercida e o porte da empresa. Um assistente de produção começa ganhando em torno de R$ 1.400, porém há redatores e roteiristas que recebem em torno de R$ 10 mil mensais, enquanto um diretor de externas ou de programa pode ganhar até R$ 30 mil.

É fácil conseguir estágio na área?
Há muitas oportunidades em emissoras de rádio e TV, produtoras de vídeo, sites e portais, agências de publicidade e de eventos, instituições educativas e culturais, além de departamentos de comunicação de grandes empresas de diferentes áreas, mas é um mercado concorrido. Comece a procurar estágio a partir do 3º semestre de curso.

O inglês ou outra língua estrangeira abre portas nessa profissão?
Sim. Nesta, como também em outras carreiras, é um diferencial ter inglês ou outro idioma fluente. Além disso, o Brasil é referência na produção audiovisual e exporta programas para muitos países #ficaadica

Quais livros são bacanas para quem quer aprender mais sobre a área?
Procure A televisão levada a sério, de Arlindo Machado ou Manual urgente para radialistas apaixonados, de López Vigil.

Se você anda com dúvida sobre como escolher a profissão que tem mais a sua cara, a Atrê preparou 10 dicas que vão ajudar muito nesta decisão

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Não, não é fácil escolher qual profissão seguir. São milhares de possibilidades de cursos, faculdades e áreas existentes. Para você começar a pensar no assunto e ver que essa decisão não é um bicho de sete cabeças, a gente preparou um guia com dez dicas que vão deixar esse momento muito mais de boa para você. Dá só uma olhada!

Investigue seus gostos e aptidões
Quais são as aulas que você mais gosta na escola? Começar a procurar as áreas que você mais se identifica é um jeito de vislumbrar profissões possíveis. Comece a reparar se você se amarra mais em escrever, fazer contas ou desenhar. Também vale pensar o contrário, quais são as matérias que você detesta? Assim, será possível delimitar o número de profissões possíveis. Ter menos ou mais interesse por determinada disciplina está diretamente ligado à sua futura escolha profissional.

Ouça opiniões, mas saiba que a escolha é sua!
Conversar com seus pais é fundamental. Eles vão ajudá-la a ver as possibilidades e podem até introduzir as profissões deles para mais perto de você. Mas lembre-se que a decisão deve ser sua, pois não são eles que vão ter de aguentar anos estudando o que não gostam.

Vá atrás de profissionais da área de interesse
A melhor forma de saber se você se daria bem numa profissão é experimentando. Procure por meio da escola ou de seus pais uma forma de passar um dia com um profissional da área que você tem interesse. Só assim você vai poder ver de perto se a rotina tem a ver com o que planeja ou se é muito diferente do que estava imaginando.

Pesquise o mercado de trabalho
O Brasil tem cerca de 150 profissões universitárias possíveis! Novas profissões surgem todos os anos e, com elas, cursos universitários. Escolher uma profissão só porque ela está na moda aumenta as chances de se dar mal. Isso também vale quando se escolhe um curso só porque a amiga escolheu. Pesquise sobre as profissões que estão crescendo no momento e veja se você se identifica com elas. E não se preocupe se perceber que muitas pessoas querem fazer o mesmo curso que você, bons profissionais sempre têm espaço no mercado de trabalho.

Participe de programas de orientação profissional
Dentro de algumas escolas há o profissional de orientação vocacional que ajuda o estudante no processo de escolha da profissão. Essa ajuda também pode estar dentro de algumas universidades e até mesmo nos cursos preparatórios (os cursinhos). Mas não ache que um orientador dará uma resposta pronta. O trabalho dele é apenas dar outro ponto de vista para você conseguir se conhecer melhor e descobrir habilidades e aptidões.

Visite a futura faculdade
Muitas faculdades abrem suas portas para alunos do ensino médio. Exatamente para que eles possam vivenciar um dia dentro do curso que desejam se matricular. Quando for fazer essa visita, preste atenção no ambiente das salas e nos locais de convívio, como pátios e jardins. Também dê uma boa olhada na biblioteca e em outras instalações, como teatros e áreas esportivas. Procure descobrir como você pode fazer para conversar com o coordenador do curso. Ele é a pessoa mais preparada para dar todas as informações de que você precisa.

Não tenha pressa
Não é porque você está no último ano do ensino médio que é obrigada a decidir o que quer fazer na faculdade. Qual a diferença em se formar com 20 ou 22 anos? Você tem o direito de demorar o necessário para tomar a decisão consciente. Existem algumas saídas para quem quer esse tempo para pensar, como cursinho, intercâmbio e até mesmo trabalhos temporários. Faça uma decisão apenas quando tiver consciência dela.

Tudo bem mudar de ideia
É comum, mesmo depois de escolher um curso universitário, você se perguntar: é isso mesmo que eu quero? Muitos alunos acabam migrando para outras áreas, às vezes totalmente distintas, dentro da mesma faculdade. Também há a possibilidade de trancar a matrícula por um tempo determinado. Então, não se sinta culpada se perceber que deseja mudar de curso.

Esteja preparada para mudanças
No ensino médio os alunos são mais protegidos e possuem uma ligação muito forte com a escola e os professores. Na faculdade, os estudantes começam a ter responsabilidades que não tinham antes. Agora você vai ter de correr atrás dos trabalhos acadêmicos, estágios e horários. Como o ambiente é mais “livre”, você dependerá muito mais de você mesma.

Profissão x Carreira
Escolher o curso que você vai fazer na faculdade ajuda a delimitar a profissão que terá no futuro. Mas é importante saber que isso é bem diferente de ter uma carreira. Isso mesmo! Você pode cursar anos de um curso x, mas na hora de entrar no mercado de trabalho, acabará se deparando com outras áreas. Isso quer dizer que, se hoje você escolhe fazer Direito pensando em trabalhar como advogada, ao final do curso essa pode nem ser uma possibilidade para você. Basta olhar o mercado e ver quantas advogadas estão seguindo para a área pública, financeira ou de consultoria.

Quem deu as dicas: Patricia Patané, psicóloga e consultora em escolha profissional, e Tadeu Patané, especialista em profissões, ambos da Teenager Assessoria Profissional.

A Atrê te conta quais assuntos podem cair na prova mais disputada do ano

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O Enem é uma das principais provas que podem dar acesso às principais universidades do país, portanto, é preciso arrasar nas perguntas e na redação para conseguir uma boa colocação e entrar em uma boa facu, né?

Pensando nisso, a Atrê foi atrás dos assuntos que têm grandes chances de se tornarem o tema principal da redação, parte da prova que tem um grande peso na nota final do Enem.

Segundo a gerente de conteúdo da Universia Brasil, Alexsandra Bentemuller, um dos temas que pode ser escolhido é as Diretas Já. “Em 2014, o Movimento completa 30 anos, fato que o torna um possível tema para a redação”, contou ela.

A Copa do Mundo também pode estar presente na redação. Temas como Patriotismo, manifestações durante o Mundial, cobertura da mídia, ética dentro e fora do campo e racismo no futebol podem estar presentes.

Na hora em que for fazer a redação, fique atenta com o tempo e separe uma hora para se dedicar ao texto. Antes de passar a dissertação para a prova, faça um rascunho com os ajustes necessários e evite escrever em primeira pessoa. Fique ligada para não fugir do tema proposto com o decorrer do texto.

E aí, já está se sentindo preparada? Keep calm e bons estudos! ;)

Fique por dentro do dia a dia de uma profissional de moda

Foto: Rodrigo Takeshi

Foto: Rodrigo Takeshi

Trabalhar com moda não é só glamour e ostentar um guarda-roupa lotado de roupas incríveis, não. Tem que ralar bastante (e carregar muitas sacolas pra cima e pra baixo!). Interessou? Quem dá o caminho para o sucesso é a produtora de moda da Atrevida Michelle Harue.

O que um stylist faz? 
Basicamente, ele é o profissional responsável pelos looks dos editoriais de moda e do visual de algumas celebridades. Sua função é a de vender, seja uma determinada peça que entra em um editorial de moda de alguma revista ou valorizar a imagem do artista que está vestindo.

Para trabalhar com moda, o que é preciso estudar?
O ideal é cursar uma faculdade! Os cursos superiores são voltados para o design e negócios da moda, mas fornecem conhecimentos necessários de tecidos, modelagem, marketing e história da moda – conhecimentos imprescindíveis para atuar como stylist.

É indicado fazer uma especialização ou pós-graduação? 
Sim. Como as faculdades ainda não possuem uma formação específica para stylist, o ideal é se especializar depois com uma pós-graduação ou cursos livres e de extensão.

Em quais áreas dá pra trabalhar?
Quem tem formação em curso superior com especialização em styling e produção de moda pode atuar como designer, stylist, visual merchandising, desenvolvimento de produto... A área é vasta e tem bastante lugar para bons profissionais.

Quanto ganha um profissional em início de carreira?
É bastante variável. No começo da carreira, a maioria até trabalha sem remuneração para montar seu portfólio. Depois dessa fase, a média é de R$ 1.500 a R$ 2 mil no começo da carreira.

Qual é o papel de um stylist em uma produção de moda, por exemplo?
O stylist é responsável pela escolha e montagem dos looks e direção do profissional de maquiagem e cabelo. Tudo deve conversar para ter um resultado harmônico. Em algumas situações, ele também é responsável pela escolha das modelos e até do local das fotos.

Foto: Rodrigo Takeshi

Foto: Rodrigo Takeshi

E o que é um personal stylist?
O personal stylist é a pessoa que cuida do visual de uma determinada pessoa. Diferentemente do trabalho editorial, o trabalho do personal stylist é direcionado e exclusivo. E isso exige muita dedicação, pois ele precisa criar uma afinidade e conquistar a confiança do seu cliente.

Como começar na profissão depois de formado?
A melhor forma é procurar um stylist que já esteja no mercado e começar a trabalhar como assistente dele. Dessa forma, conhecerá a rotina e as pessoas do meio.

Quais habilidades é preciso desenvolver para se dar bem na profissão?
Organização, humildade, paciência e criatividade.

Quais os pontos altos e baixos da profissão?
Os pontos altos são: não ter rotina, conhecer muitas pessoas, viajar e conhecer em primeira mão todas as novidades que estão por vir na moda. Pontos baixos: administrar egos e a concorrência desleal. Para quem trabalha freelancer (os profissionais autônomos, que não têm emprego fixo) ainda tem a instabilidade financeira.

Como é o dia a dia de um stylist? 
Não existe uma regra nem rotina. Cada dia trabalho com uma equipe diferente em um lugar diferente. Por isso, ser organizado é essencial!

Qual a dica para alguém que quer seguir essa profissão?
Pesquise, se atualize e seja humilde! “Carão blasé” é muito anos 90! 

O curso que você quer fazer só tem em outra cidade? Saiba o que fazer!

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

Ao se formarem no colégio, muitas garotas ficam com muuuitas dúvidas sobre o curso ou a faculdade que irão cursar. Grande parte delas opta por mudar de cidade e enfrentar este novo desafio em um lugar totalmente novo. Mas como se adaptar tão fácil em uma cidade totalmente diferente?

- Antes de mudar de cidade, tenha certeza de que escolheu a faculdade e o curso certo. Tal mudança exige muitos gastos, portanto tenha em mente de que não se arrependerá e que os anos de faculdade serão os melhores #ever.

- Ao chegar na faculdade nova, não tenha medo de conversar com os veteranos e pedir ajuda. Diga de que é de outra cidade, ainda está se adaptando e quer fazer novas amizades. Eles ainda podem te levar para conhecer o campus da faculdade, explicam o que você precisará levar nas aulas e podem te contar várias histórias e experiências incríveis.

- Procure outros alunos que também mudaram de cidade e estão no processo de adaptação. Enfrentar tudo sozinha não é bacana, portanto procure compartilhar opiniões, medos e pedir dicas para as garotas que são novas na cidade assim como você.

- É essencial manter o contato sempre com a família e os amigos que ficaram em sua cidade natal. Use o Skype, WhatsApp e SnapChat para compartilhar momentos e saber de todos os #baphos. Sentir saudades é natural, mas é importante que isto não a impeça de enfrentar os novos desafios, combinado?

- O melhor jeito de se planejar antes de mudar para outra cidade é conhecendo-a antes. Procure visitar a sua futura casa alguns dias antes de começar às aulas e já comece a se imaginar visitando aqueles lugares. Junto com seus pais, planeje os custos de moradia e com o material escolar também. 

Candidatos devem se inscrever até as 23h59 de sexta-feira

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

Esta é a última semana para se inscrever no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), prova que pode te ajudar e muito a entrar em uma universidade no ano que vem. Os candidatos devem fazer a sua inscrição até a próxima sexta-feira (23) às 23h59. 

O número de cadastrados de 2014 já passa dos 4 milhões de estudantes. Segundo o Ministério da Educação, quanto mais você antecipar a sua inscrição, melhor. 

O Enem 2014 ocorrerá em mais de 1600 municípios nos dias 8 e 9 de novembro deste ano. Para se inscrever, basta clicar neste link!

#partiufaculdade 

Gosta de viajar? Então você vai amar essa profissão!

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

A leitora Gabriela Rosa, de 16 anos, ama viajar e adora aprender curiosidades sobre diversos países. Por isso, ela está pensando em ser uma turismóloga, ou seja, a profissional que trabalha no ramo do Turismo. Interessou? Olha só o que você deve saber se pretende seguir essa carreira!

Quais são as melhores faculdades que oferecem o curso de Turismo no Brasil?
Em todo o Brasil, há muitos cursos de qualidade. Entre eles, podemos citar as instituições: Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA – USP), Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), Anhembi Morumbi, Estácio (RJ), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade de Brasília (UnB).

Como é o curso de Turismo? Quais são as principais matérias que o aluno deve aprender?
Os cursos universitários na área de Turismo têm duração média de quatro anos. A grade curricular depende da instituição, mas basicamente as principais matérias técnicas envolvem administração, economia, agenciamento, planejamento, cartografia, marketing e gestão de talentos. Ser organizada e gostar de planejar são qualidades muito importantes nessa área! Continue Lendo

Quer fazer medicina? Uma doutora te dá várias dicas!

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A leitora Camila Santana já sabia que queria ser médica desde criança. Agora ela está no período de vestibular e sabe que a disputa por uma vaga em Medicina é bem complicada. Mas ela está disposta a encarar isso e quer saber tudo sobre a profissão! 

Quais são as melhores faculdades de Medicina do Brasil?
A Universidade de São Paulo (USP) costuma ser a mais desejada entre os futuros médicos, mas a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) também é bem concorrida. Fora de São Paulo, a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) são bem conceituadas.

Em média, quanto um médico em início de carreira ganha?
O valor da bolsa de um médico residente pode variar de R$ 2 mil a R$ 3 mil.

Quanto tempo uma pessoa leva para se formar em Medicina?
O estudante deve se dedicar no mínimo seis anos à faculdade. O currículo é puxado: o período de estudo é integral e há muitos seminários e pesquisas, além dos plantões em hospitais. Nos dois primeiros anos, o aluno aprende matérias básicas, como Anatomia e Patologia. Boa parte das instituições de ensino oferece disciplinas práticas no início do curso para que o aluno se familiarize com as atividades. Lidar com pacientes, só a partir do terceiro ano, nas disciplinas profissionalizantes e no treinamento em atendimento. Os dois anos de residência médica, depois de formado, são para o graduado se especializar.

O que é o período de residência? Todos os alunos devem passar por isso?
Residência Médica é o período de especialização após a graduação. Pode durar de 2 a 6 anos e só pode ser iniciado depois de terminar a faculdade de Medicina. Não é obrigatório, porém quem não faz tem apenas o título de médico geral.

Como é o estágio da faculdade de Medicina?
O estágio é obrigatório para todos os alunos. Existem duas modalidades: internato e residência. O internato é feito durante o quinto e o sexto ano de graduação. A residência médica, só depois de concluir a graduação.

Em quais áreas o médico pode atuar?
Há diversas áreas de especialização da Medicina. Algumas delas são: Saúde Pública, Medicina do Trabalho, Dermatologia, Cardiologia, Oncologia, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia, Radiologia, Pneumologia, Geriatria, Endocrinologia, Ortopedia, Angiologia, Cirurgia Plástica, Infectologia. Quanto ao mercado de trabalho, o médico poderá atuar em hospitais, ambulatórios, empresas, postos de saúde, consultório particular, além de poder seguir carreira médica no Exército, na Marinha, na Aeronáutica e na Polícia Civil, Militar ou Federal.

Quais matérias da escola são mais importantes para quem quer se tornar médica?
Todas são importantes, mas sem dúvida você deve focar na Biologia. Mas a redação muitas vezes tem um peso grande no vestibular, então a dica é se empenhar para tirar a maior nota possível nessa etapa.

Quais qualidades um bom profissional precisa ter?
Para ser um bom médico o profissional precisa gostar do que faz e saber lidar com as pessoas. Entender que não tem que tratar só doenças, mas sim enxergar o paciente como um ser humano, sempre tomando cuidado para lidar com os pacientes e familiares em momentos delicados.

O médico deve ser organizado, responsável, cumprir seus horários, gostar de estudar e sempre se atualizar em cursos e congressos. É preciso se dedicar ao trabalho com muita intensidade e aprender a abrir mão de outras coisas para priorizar sua carreira.

Entre as especializações da Medicina, qual é a de salário mais alto? E qual é a especialidade mais em falta no Brasil?
As especializações da área cirúrgica geralmente são bem remuneradas. O valor pode variar muito de acordo com a complexidade cirúrgica, experiência do profissional e seu reconhecimento perante a sociedade.

Depende muito da região, pois existem lugares no interior e em locais mais carentes que necessitam até de clínico geral e não há especialistas de nenhuma área.
No Brasil, as especialidades mais em falta são: Genética Médica, Radioterapia e Especialista em Cirurgia de Mão.

Que dica você daria para uma adolescente que está pensando em se preparar para o vestibular de Medicina?
Dedique-se muito aos estudos, porém com qualidade de vida. Claro que é uma fase difícil, em que muitas vezes a garota terá de fazer escolhas, como deixar de viajar ou de curtir algumas festas para ter mais tempo de estudar. Mas é importante manter o equilíbrio. Manter uma dieta saudável, atividade física e praticar atividades que dão prazer são hábitos muito importantes para que o candidato esteja preparado emocionalmente.

Muitas vezes quem conquista a vaga não é aquele que sabe mais, e sim aquele que tem calma e não fica estressado para realizar a prova!

Qual é o melhor e o pior lado da profissão?
O melhor lado é o de ajudar as pessoas. Curar as doenças, trazer qualidade de vida aos pacientes e ver a felicidade dele ao receber a notícia de que está curado é emocionante e dá a sensação de missão cumprida.

O pior lado é a falta de reconhecimento e a remuneração não adequada, pois infelizmente em muitos lugares os médicos são obrigados a trabalhar em condições precárias e cumprir uma carga horária excessiva. Isso pode trazer ao médico problemas de saúde, estresse e comprometer a qualidade do seu trabalho.

Quem deu as dicas: dr. Marco Antonio Ambrósio, ortopedista e traumatologista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e médico do esporte do Hospital Samaritano e dra. Erica Mantelli, ginecologista e obstetra.

A Beatriz arrasou em um vestibular no Rio de Janeiro

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Você já deve estar cansada de saber que passar em um vestibular não é moleza. E que a concorrência para entrar em universidades federais e estaduais é ainda maior. Afinal, elas não são pagas. Mesmo assim, a Beatriz Pêgo, 17 anos, do Rio de Janeiro, conseguiu acertar TO-DAS as questões da primeira fase de uma prova cabeluda nunca antes gabaritada por alguém: o exame de qualificação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). E tem mais, o curso escolhido por ela foi o de medicina. #passou10vezesnafiladainteligência

A história: “Sempre sonhei em ser médica, pois acredito que é muito gratificante poder ajudar a aliviar a dor das outras pessoas”, desabafa Beatriz. Para alcançar este objetivo, a gata, que está cursando o 3º ano do ensino médio, estuda pra valer diariamente, mas garante que também se permite alguns momentos de descanso. “O cansaço atrapalha bastante o rendimento. Então, estudo com determinação, mas sem exageros”, conta.

Resultado: com tanto esforço e dedicação, a Beatriz conseguiu gabaritar a primeira fase do vestibular da UERJ sem chutar uma questão sequer. Dá pra acreditar? “Fiz a prova com muita consciência e concentração”, garante a garota, que é inteligência pura. #alôvaldirene

Enfie a cara nos livros: se, assim como a Beatriz, você está se preparando para prestar vestibular, seja qual for o curso escolhido, a dica é dar o seu melhor e destinar boa parte do seu dia aos estudos. Daí, você aproveita o tempo que sobrar para se distrair com a galera. “Uma boa alternativa é marcar os encontros e passeios para dias distantes das datas das provas. Assim, ninguém estará comprometido com os estudos para o vestibular”, sugere Bia.

Receita da Beatriz: “Dedique-se ao seu sonho de todo o coração e tenha pelo menos um pouco de confiança em si mesma. Esses ingredientes são essenciais para atingir suas metas”, aconselha.

Saiba mais sobre o dia a dia desse profissional que adora pets

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Você ama cuidar de animais? A superatrê Lethícia Mota também. Ela está terminando o ensino médio, mas ainda está em dúvida sobre qual carreira seguir: Medicina Veterinária ou Biologia Marinha. As duas áreas são focadas em animais, mas de ângulos bem diferentes. Se você também quer ser a médica dos pets, esta matéria é para você!

Quais são as melhores faculdades na área de Medicina Veterinária?
Podemos citar algumas instituições de destaque: Universidade de São Paulo (USP); Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp); Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Universidade Estadual de Londrina (UEL); Universidade Federal de Lavras (UFLA); Universidade Federal de Brasília (UnB); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Você pode fazer consultas mais específicas no portal do Ministério da Educação (MEC): http://goo.gl/Gh4Ax

Quanto tempo tem o curso? Quais as especialidades da área?
São necessários cinco anos para se graduar. Dentro dessa profissão existem várias áreas nas quais você pode se especializar. As principais são: clínica médica, cirurgia, reprodução, patologia, inspeção de produtos de origem animal, criação de animais de produção, epidemiologia e prevenção de zoonoses. A residência costuma acrescentar de 2 a 3 anos ao curso. A especialização não é obrigatória, mas acrescenta (e muito!) ao seu currículo.

Em quais áreas o veterinário pode atuar?
Se você acha que é só cuidar de cachorros e gatinhos, se engana. A veterinária é dividida em três grandes áreas: clínica e cirurgia, produção e reprodução, e saúde pública e animal. Sendo assim, você tem muitas opções de trabalho: laboratórios, instituições de pesquisa e ensino, fábricas de ração, indústrias de alimentos (carne, leite, aves, mel, pescado), defesa sanitária, controle de zoonoses, zoológicos, preservação ambiental, criações de animais em fazendas e até na polícia federal. A lista é longa! Continue Lendo

Saiba tudo sobre essa profissão que é bem divertida

Colaborou Camila Baos

Foto: Reprodução/Tumblr

Foto: Reprodução/Tumblr

A leitora Sara Lopes quer muito ser escritora, mas não sabe bem por onde começar. Como não existe uma faculdade específica para essa profissão, fica complicado dar os primeiros passos, né? Por isso, a Atrevida conversou com um time de autores incríveis, como Paula Pimenta, para tirar todas as dúvidas. E você, quer ser escritora também? Então se liga nessa matéria!

Quais são os primeiros passos para ser escritora?
A dica básica é: escreva! Muitas pessoas têm ideias na cabeça, mas nunca param para escrever de verdade e botar essas ideias no papel (ou na tela do computador!). Muitas vezes, chegamos em casa cansados e sem cabeça para isso, mas é importante se dedicar pelo menos 1 ou 2 horas por dia para escrever um pouquinho. Se você ficar só na ideia, fica difícil concretizar alguma coisa. Outra dica importante é escrever sobre o que você conhece. Por exemplo, se sua personagem vai viajar, coloque essa viagem em um lugar que você conhece, pois assim você saberá descrever bem o cenário e o que ela vai fazer lá. E escreva um livro que você gostaria de ler. O escritor tem que ser o primeiro a gostar do seu texto. Senão, quem vai gostar?

Qual é a melhor maneira de divulgar sua história para que ela possa ser vista por uma editora e, assim, ser publicada?
O primeiro passo é mandar seu livro diretamente para as editoras do País. No site da maioria delas há um espaço para “envio de originais”. Eles vão avaliar seu material e, se houver interesse, vão fazer um acordo com você e publicar seu trabalho. Torça para dar certo! Mas se a editora recusar, comece por uma produção independente. Ou seja, você pode bancar a publicação de alguns exemplares do seu livro e tentar vendê-los por sua própria conta. Se a estratégia der certo, pode acabar chamando a atenção de uma grande editora e aí sim seu trabalho será divulgado em grandes livrarias. A internet também é uma ótima ferramenta de divulgação – as editoras sempre estão de olho em blogueiros que escrevem bem e têm muitos seguidores.

O que é essencial para se manter na carreira de escritor?
Em primeiro lugar, você precisa gostar do que faz. Escreva bastante e tenha foco no seu trabalho. O objetivo aqui não é o sucesso e o dinheiro, e sim o esforço no seu trabalho. Outra coisa importante é conquistar leitores fiéis. Se os próprios leitores pedem pra você publicar novos livros, é sinal de que seu próximo trabalho já vai “nascer” com público. Mas para conquistar os leitores é preciso estar atento, perceber o que agradou ou não nos livros anteriores e sempre ter ideias novas. Por último, é importante ter muita persistência e não desistir no primeiro “não”. O mercado editorial brasileiro é um pouco complicado, mas é importante confiar no seu trabalho e acreditar que uma hora você vai conseguir.

Dá pra viver só escrevendo livros?
Depende de quanto você vende. O escritor ganha apenas 10% de cada livro vendido. Então, para se viver só escrevendo é preciso vender muito. Se você fizer um sucesso razoável, dá para se manter só com a profissão de escritor. Mas pensar que você “só será escritor se render dinheiro” não é uma boa ideia. O importante é você escrever mesmo sem poder viver disso. Se a pessoa está preocupada com sucesso e dinheiro, ela não vai conseguir se importar com o essencial, que é a história.

Para ser escritor é necessário ter formação acadêmica?
Não é obrigatório, mas é interessante ter uma formação universitária, pois isso amplia nossos horizontes e nos dá uma formação sólida. Você pode estudar algo na área da comunicação, como Jornalismo e Publicidade e Propaganda (em que você pode escrever bastante também). Além disso, é sempre bom fazer cursos livres, como de roteiro e estrutura literária. Mesmo que você já tenha iniciado sua carreira como escritora, é importante fazer cursos de aprimoramento para desenvolver seu estilo.

Há uma “receita do sucesso” na carreira?
Você vai precisar trabalhar duro! Esforce-se para terminar seu livro e depois se esforce para divulgá-lo. A profissão exige comprometimento e disciplina. Mas não há receita mágica. É só escrever com amor, se apaixonar pelo seu livro e torcer para que outras pessoas se apaixonem também!

Qual é a principal dificuldade de ser escritor no Brasil?
Primeiro, o preconceito que os próprios brasileiros têm com o produto nacional. Muitos brasileiros costumam achar que o que vem de fora é melhor – o que não tem nada a ver, pois existem pessoas tão talentosas no Brasil quanto no exterior. Outra dificuldade é conseguir uma editora. As editoras daqui são um pouco fechadas para autores iniciantes. Mas vale a pena insistir! Você até pode pensar que é difícil ser escritor no País, mas isso não pode limitar seu trabalho. O Brasil está vivendo um momento excelente de literatura, nunca se leu tanto como agora.

Como lidar com as críticas negativas ao seu trabalho?
É importante ouvir as críticas construtivas e aprender com elas. É claro que é impossível agradar a todo mundo, mas algumas coisas devem ser levadas em consideração. Mostre seu trabalho para seus amigos e para pessoas mais velhas e experientes que possam dar uma crítica construtiva – e não um elogio vazio e que não agregue nada em seu trabalho.

Quem deu as dicas: Jeff Kinney, autor da série Diário de um Banana, Paula Pimenta, autora das séries Fazendo Meu Filme e Minha Vida Fora de Série e Eduardo Spohr, autor do livro Batalha do Apocalipse e da trilogia Filhos do Éden (Herdeiros de Atlântida e Anjos da Morte).

Pensa em fazer psicologia na facu, mas está em dúvida? A Atrê te ajuda a resolver esse dilema

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A Superatrê Alana Conte, 16 anos, pensa em seguir carreira como psicóloga, mas está cheia de dúvidas. Fomos atrás de profissionais da área para ajudá-la nesta decisão superimportante! Se você também pensa em seguir a área de psicologia, fique de olho nas dicas!

Qual é a finalidade do trabalho do psicólogo?
O intuito principal do psicólogo é ter acesso às angústias, fantasias e aos medos daqueles que o procuram, independentemente da área de atuação. Isso acontece tanto em atendimento clínico, onde o foco é a angústia geral do paciente, quanto, por exemplo, em ambientes organizacionais, onde o foco será a possível angústia do empregado diante de situações de seu dia a dia na empresa. Este profissional também pode seguir a área da pesquisa, fazendo experimentos com pessoas ou animais em laboratórios, trabalhando em áreas como neurociência, personalidade, desenvolvimento infantil e comportamento social.

Quais são as qualidades necessárias para ser um bom psicólogo?
É importante saber ouvir, sem preconceitos ou julgamento, ser sensível à dor do outro, ter interesse em conhecer pessoas e sentir-se confortável no contato com elas. No caso do profissional clínico, é legal buscar tratamento para suas próprias dificuldades emocionais também.

Quanto tempo dura o curso de psicologia?
A graduação tem duração de dez semestres, ou seja, cinco anos. É uma carreira que exige cursos de especialização e prática supervisionada.

Qual é a grade curricular do curso de psicologia?
Existem várias disciplinas, como filosofia, sociologia, metodologia da pesquisa científica, e também disciplinas específicas da formação de psicólogo, como estudo das linhas teóricas principais, estudo do desenvolvimento humano, aplicação de testes e estágios práticos de atendimento psicológico.

Qual é o salário inicial de um psicólogo? E o salário máximo?
O salário inicial não é alto, varia entre R$ 1.300 e R$ 1.500. Psicólogos concursados, para trabalhar 30 horas em prefeituras, por exemplo, recebem em torno de R$ 2.500, enquanto profissionais que trabalham em empresas privadas e multinacionais costumam ter remuneração melhor. 

Quais são as áreas em que posso atuar depois de terminar a faculdade?
Existem oportunidades em inúmeras áreas, como psicologia escolar, hospitalar, clínica, psicologia do esporte, psicologia jurídica, organizacional. A psicologia é por definição multidisciplinar e trabalha bem em equipes multiprofissionais, contribuindo para o entendimento do indivíduo como um todo.

Posso fazer uma especialização no exterior?
Sim, é possível fazer especialização no exterior, em especial quando se quer estudar de forma mais aprofundada uma linha teórica específica ou mesmo aprender uma abordagem diretamente com o fundador, caso ele esteja em outro país. No entanto, é preciso verificar se a especialização realizada é reconhecida pelo MEC, para que seja validada no Brasil, em especial para os profissionais que pretendem seguir carreira acadêmica e trabalhar em universidades.

Um psicólogo pode atuar em consultório e empresa ao mesmo tempo?
Sim, o psicólogo pode atuar em várias áreas ao mesmo tempo. Tudo depende da demanda e do tempo disponível para atendimento.

Como é a atuação de um psicólogo, na prática, dentro de um consultório?
O psicólogo acolhe a demanda dos pacientes, escuta, aponta situações repetitivas, por exemplo, e intervém para auxiliar o paciente a modificar sua forma de atuar diante do mundo, diminuindo suas angústias e aumentando sua autoestima. A consulta, na prática, depende do referencial teórico seguido pelo psicólogo. Se o profissional é um psicanalista, haverá um divã na sala para o paciente. Se for um psicodramatista, haverá almofadas e brinquedos para que o paciente possa representar seus conflitos por meio de imagens e construção de cenas. No geral, o atendimento é um processo, com encontros semanais, durante meses ou até anos. Hoje em dia já há a psicoterapia de tempo limitado, que busca focar nas questões principais para que o processo seja mais breve.