Assine

Você ainda sente aquela tensão só de pensar que precisa se consultar com um ginecologista. Conversamos com uma expert para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Quer ver?

Ginecologista: tire todas as suas dúvidas sobre a primeira consulta

Foto: Shutterstock

Nove a cada dez meninas cogitam procurar um médico para tirar todas as suas dúvidas sobre saúde feminina e sexo, porém, rola aquela tensão do que vai acontecer na consulta. Para ajudá-la a mandar este medo para bem longe, respondemos agora algumas das maiores dúvidas das girls sobre a primeira vez frente a frente com um ginecologista!

 Quando devo ir?

É interessante procurar um ginecologista a partir da sua primeira menstruação. Ele poderá ajudá-la respondendo todas as suas perguntas e auxiliando de agora em diante, para que se cuide direitinho.

O que acontece lá dentro?

Pode respirar aliviada, a consulta não é nenhum bicho de sete cabeças, e o ginecologista não irá pressioná-la nem julgar o que disser. A primeira consulta, geralmente, é um bate-papo, no qual o médico faz perguntas sobre o seu quadro clínico, que inclui os seus hábitos, tudo sobre o seu ciclo menstrual, sobre doenças na família, etc.

O que falo pra ele?

Tudo o que quiser! Deixe a vergonha do lado de fora. O ginecologista é a única pessoa que poderá tirar todas as suas dúvidas e que não vai rir ou julgar as suas questões. Ele está superpreparado para lidar com situações como esta!

Alguém precisa entrar comigo?

Se você não se sente à vontade, não, ninguém precisa entrar com você na sala. Caso a sua mãe insista, ela pode ajudar o médico com informações sobre o seu desenvolvimento que você não sabe ou lembra. Mas é bacana que tudo seja conversado antes entre você e ela. Se não for se sentir à vontade, fale para ela que prefere entrar sozinha. Não existe problema nenhum nisso!

Ele vai contar o que disse pra alguém?

Jamais! Pode ficar tranquila, pois o seu médico não contará nada sobre o que conversarem com ninguém, nem com a sua mãe. Conversas entre médico e paciente são sigilosas. Somente em casos de doenças ou abusos que coloquem em risco a vida da garota é que ele deverá conversar com os pais.

Vou ter de ser examinada?

Depende! Se você for virgem, o médico examinará apenas os seus seios, a região abdominal e a parte externa da região genital. Caso já tenha tido relações, ele examinará a vagina internamente. Fique calma, pois o exame é importante para prevenir e diagnosticar doenças.

Quem deu as dicas: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana.

Especialista revela tudo que você precisa saber sobre a pílula do dia seguinte. Tire todas as suas dúvidas, girl!

Tudo que você precisa saber sobre a pílula do dia seguinte 

Foto: Shutterstock

Perguntamos para a sexóloga Sônia Eustáquia tudo o que você precisa saber sobre a pílula do dia seguinte, um método contraceptivo de emergência que, se usado da maneira errada, pode ser prejudicial para a sua saúde!

O que é a pílula do dia seguinte?

É um método contraceptivo hormonal de emergência que impede ou retarda a liberação do óvulo, evitando a fertilização. Ela não deixa formar a camada que recobre o útero para receber o óvulo fecundado e cuja descamação dá origem à menstruação.

Quando devo usar?

Na verdade, nunca. O ideal é que a garota se proteja para que não precise nunca usar! Mas, geralmente, a pílula é usada em casos de extrema emergência, como quando a camisinha estoura no momento da ejaculação, a mulher esquece a pílula por vários dias e lembra no momento do coito, etc. 

Posso trocar a camisinha por ela?

De maneira alguma! A camisinha é um método contraceptivo que a ajuda a se prevenir de doenças sexualmente transmissíveis e uma gravidez, já a pílula é apenas um método de emergência, que deve ser usado em casos extremos.

Posso tomar sempre?

Não. A pílula do dia seguinte não deve ser um hábito e, muito menos, ser tomada mais que uma vez por mês. Ela contém uma dose alta de hormônios que pode desregular todo o seu organismo e trazer efeitos colaterais.

Todo mundo pode fazer uso?

Não. Como tem muito hormônio em sua composição, o bacana é evitá-la ao máximo. Mulheres com distúrbios metabólicos, principalmente insuficiência hepática e trombose, não devem nunca tomar o medicamento. Às vezes, a pílula pode causar diarreias, dores de cabeça, náuseas e alterações no ciclo menstrual.

E se eu já tomo anticoncepcional, o que devo fazer?

É muito importante procurar o seu ginecologista para que ele indique o que você deve fazer. Porém, se você tomou a pílula do dia seguinte no meio de uma cartela, interrompa totalmente o seu uso. Espere a menstruação vir e comece uma nova cartela daí em diante. E não faça sexo desprotegida, pois a pílula não tem efeito cumulativo.

Selecionamos 4 dúvidas que todo mundo tem sobre a camisinha. Vem ver!

4 dúvidas que todo mundo tem sobre a camisinha 

Foto: Shutterstock

Apesar do uso da camisinha ser essencial, muitas pessoas ainda tem muitas questões sobre ela que ainda não foram esclarecidas. Conversamos com a Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana, que respondeu as 4 maiores dúvidas que todo mundo tem sobre o uso do preservativo

1) Qual é a hora certa decolocar a camisinha?

O garoto deve colocar no momento em que os corpos vão se encontrar, ou seja, quando for encostar o pênis na vulva da garota.

2) Existe um modelo mais seguro?

O método mais seguro é o uso combinado da camisinha com a pílula anticoncepcional - mas antes de tomar uma, procure um médico.

3) Se usar camisinha preciso usar outro anticoncepcional?

Sim! Só o uso da camisinha não garante a total proteção contra a gravidez, porque ela pode romper. Outros métodos contraceptivos, como a pílula anticoncepcional ou o adesivo devem ser usados. Da mesma forma, uma mulher que já faz uso desses métodos não deve dispensar a camisinha, que previne DSTs.

4) Como poss o ter certeza que está tudo certo com a minha?

A eficácia da camisinha está ligada ao seu uso correto. O pênis deve estar ereto, livre de lubrificantes, cremes ou pomadas. A pessoa deverá segurar o preservativo pela extremidade, deixando um espaço isento de ar na ponta para conter o sêmen, diminuindo assim achance de rompimento. A seguir, a camisinha deve ser desenrolada, da extremidade para a base do pênis.

Você sabe o jeito correto de colocar a camisinha? A Atrê tira sua dúvida com a ajuda de uma sexóloga

Texto Redação | Ilustração:Isabela Santos

E agora?

Ilustração: Isabela Santos

“Como eu sei se meu namorado está colocando a camisinha do jeito certo? É que eu nunca transei com ninguém e não sei se vou poder ajudá-lo a fazer isso.” L. C., por e-mail

L., existe, sim, um jeito correto: a camisinha deve ser colocada quando o pênis estiver ereto, antes da penetração. Abra a embalagem, delicadamente, com as mãos. Depois, coloque a camisinha sobre o pênis, pressione ou dê uma leve torcida na ponta dela com uma mão, enquanto desenrola a camisinha com a outra. O preservativo deve cobrir todo o comprimento do pênis, até sua base (próximo aos pelos). Após a ejaculação, o preservativo deve ser retirado pela borda, com o pênis ainda ereto. Embrulhe-a em papel higiênico e jogue no lixo. É bom que você saiba que, para garantir a segurança, é importante que o preservativo seja de boa qualidade e que não tenha ultrapassado o prazo de  vencimento. Além disso, nunca utilize vaselina ou outro tipo de óleo para lubrificação: prefira  camisinhas que já contenham essas substâncias ou adquira lubrificantes especiais, à base de água.

Quem deu a consultoria: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana.

Revista Atrevida | Edição 229

Você escuta todo mundo falar sobre isso, mas não sabe direito o que é? Vem cá, nós explicamos tudo sobre preliminares

Texto Consultoria Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana. | Foto: Shutterstock

Preliminar

Foto: Shutterstock

Elas são as carícias que excitam o casal e aumentam o desejo e, geralmente, são realizadas antes da relação sexual. Mais conhecidas como “amassos”, “pegação”...

É a primeira parte de uma relação sexual bem-sucedida. Se você e o parceiro fazem bem esta etapa, ficam excitados e preparados para a relação e terão mais prazer na penetração, no orgasmo, etc.

Sim, é normal sentir mais excitação nas preliminares do que no sexo.

Nunca esqueça a camisinha!

Todos sabem que ela é a maior aliada na prevenção de DSTs e gravidez, mas, mesmo assim, ainda
tem gente que a deixa de lado. Se liga nas razões que provam que a camisinha é para todos:

Não há efeitos colaterais – a menos que você seja alérgica a látex ou ao lubrificante. Nesses casos, procure um médico, pois ele poderá indicar outro tipo de proteção.

Elas são baratas e bem fáceis de serem encontradas em farmácias e supermercados. Caso a grana esteja curta, não tem desculpa, os postos de saúde distribuem gratuitamente!

Só em emergência!!! A pílula do dia seguinte pode salvar a sua vida, mas, ao mesmo tempo, ser a maior roubada para a saúde. Veja como e qual é o momento certo de usá-la!

Cuidado, só em emergência!

Foto: Shutterstock

O que faz?

Ela bloqueia a ovulação e dificulta a gravidez. Caso a mulher não tenha ovulado, o anticoncepcional de emergência impede ou retarda a liberação do óvulo, evitando a fertilização, não deixando formar a camada que recobre o útero para receber o óvulo fecundado e cuja descamação dá origem à menstruação.

Quando usar?

A pílula do dia seguinte só deve ser usada em último caso, como quando a camisinha estourar no momento da ejaculação ou você se esquecer de tomar a pílula anticoncepcional durante dois ou três dias.

 

Alerta!

Nunca faça do seu uso um hábito e, muito menos, tome mais do que uma dose por mês, pois a pílula, além de perder a eficácia, faz mal à saúde. As altas doses de hormônios podem causar náuseas,  alteração do ciclo menstrual, dor de cabeça e diarreia. Se você tiver distúrbios metabólicos, como insuficiência hepática e trombose, deve evitar o medicamento. É muito importante conversar com um médico para saber se pode tomá-lo.

Não vacile

Se você faz uso do anticoncepcional e optou por tomar a pílula, pare a cartela imediatamente. Comece uma nova cartela apenas quando vier a próxima menstruação e não faça sexo desprotegida, pois a pílula não tem efeito cumulativo.

Consultoria: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana.

Ainda não tá ligada em por que é tão importante tomar a vacina contra ele? Vem cá, a Atrê explica tudinho o que você precisa saber!

Texto Redação | Foto: Shutterstock 

HPV: papo sério

Foto: Shutterstock

1. O HPV é um vírus que ataca as células da pele e da mucosa, que pode formar tumores pequenos ou ver rugas na pele ou nos genitais, que geralmente são pequenas e não trazem problemas à saúde. Porém, se a área infectada for a mucosa do colo do útero, da vagina, do pênis ou do ânus, o vírus pode induzir a formação de tumores malignos, gerando doenças mais sérias, como, por exemplo, o câncer de colo do útero e o câncer anal.

 

2. O vírus é contraído através do contato de pele com pele, quando há pequenas lesões, cortes ou arranhões, que permitem que ele entre no organismo.

3. O uso da camisinha é importante para a prevenção do HPV. E mesmo assim a proteção não é 100% garantida, pois a transmissão se dá pelo contato direto da pele com a mucosa infectada, ou seja, pode haver a transmissão sem a penetração.

4. A vacina é importantíssima, pois é a principal forma de prevenção da doença. Ela deve ser tomada por meninas de 9 a 13 anos e é dada em três doses. Essa é a idade escolhida porque, segundo estudos, é nela em que há maior produção de anticorpos contra o vírus. Portanto, se você ainda não tomou, procure uma Unidade de Saúde do SUS, pois é de graça.

Consultoria: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana. Para mais informações sobre a vacina, acesse: www.portalarquivos.saude.gov.br/campanhas/hpv

Revista Atrevida | Edição 257

Pílula sem erro!! Sabia que alguns fatores podem diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional? Não? Então, se liga, a Atrê revela quais são as situações em que é bom ter cuidado redobrado!

Texto Aline Marchiori | Consultoria Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana

Tome a pílula no dia e horário certos

Foto: Shutterstock 

1. O uso de medicamentos como os antibióticos pode diminuir a eficácia da pílula. Fique atenta às indicações contidas na bula! Nesses casos, é bom utilizar um método de proteção de barreira, como a camisinha.

2. Se resolveu trocar a pílula por outro método anticoncepcional, use um de barreira nas primeiras semanas. Afinal, leva um tempinho até o seu corpo responder ao novo contraceptivo.

3. Se você passar mal e tiver diarreia ou vômito até duas horas depois de tomar a pílula, deve ficar atenta, pois o efeito dela pode ser nulo. Neste caso, deve-se tomar uma nova pílula.

4. Não tomar o anticoncepcional no mesmo horário e todos os dias também reduz a sua eficácia! A pílula foi feita para ser tomada diariamente. Esquecer-se de tomá-la várias vezes irá deixá-la desprotegida.

Revista Atrevida | Edição 242

Selecionamos alguns sinais que podem ajudá-la a refletir se está pronta ou não para a primeira vez

Consultoria Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana. | Foto Shutterstock

Primeira vez

Foto: Shutterstock

 

Se você anda se perguntando se chegou a hora de perder a virgindade, a resposta é que cada menina tem o seu tempo. Mas se isso não sai da sua cabeça, alguns sinais podem ajudá-la a refletir se está pronta ou não para esta experiência:

 

  • Você gosta muito do menino que está ficando ou namorando? Tenha a primeira vez com alguém especial e com quem você se sinta à vontade, tenha intimidade para conversar sobre sexo e que a respeite!
  • Você se sente informada sobre como prevenir DSTs e uma gravidez precoce? Caso não, vá ao ginecologista e tire todas as dúvidas sobre sexo e anticoncepcionais. Uma consulta antes da primeira vez pode ser esclarecedora.
  • Você tem em mente que sexo não é prova de amor? Não caia na conversa de ninguém que peça esta “prova”. Ninguém pode intimidá-la para que você tenha a sua primeira transa. Jamais faça algo que não seja da sua vontade!
  • Você se sente tranquila em relação à primeira vez? Não se pressione só porque as suas amigas não são mais virgens. Deixe as coisas rolarem! A primeira vez jamais será parecida comum filme ou com o relato de uma amiga. Construa a sua própria história!

Fique ligada!

... na data de validade da camisinha e, antes de usá-la, procure por pequenos defeitos ou furos sem desenrolá-la.

Revista Atrevida / Edição 256

Já faz um tempo que o preservativo feminino está no mercado, mas rolam ainda muitas dúvidas sobre ele. Bora esclarecer todas elas?

Texto Aline Marchiori / consultoria SÔNIA EUSTÁQUIA, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana. / Arte: Isadora Santos

Camisinha feminina

Arte: Isadora Santos

  • Ela tem a forma de um cilindro com um aro em cada extremidade: um aro é fechado e fica junto ao colo do útero, e o outro aberto e fica por fora da vagina. O aberto permanece do lado de fora depois da  inserção, protegendo os lábios e a base do pênis.
  • Segundo pesquisas, ela previne DSTs, como a aids e evita a gravidez entre 79% e 95% dos casos.
  • Por ser de plástico, o preservativo feminino não compromete a sensibilidade e é bem adaptável ao corpo.
  • Pode ser colocada antes da relação sexual, ao contrário da camisinha masculina, que deve ser colocada na hora.
  • Para minimizar o desconforto e ruídos, é possível usar lubrificantes à base de água ou óleo.
  • Jamais use a camisinha feminina junto com a masculina. O contato das duas pode aumentar a chance de rompimento.
  • Se o seu medo é de que a camisinha entre totalmente na vagina, pode ficar tranquila, pois se colocada corretamente, isso não acontece. Durante o sexo, ela pode se mover um pouquinho. Caso perceba que o anel externo está muito próximo da entrada da vagina, puxe um pouco para fora – é indicado que ele fique cerca de 3 cm para fora.

Revista Atrevida / Edição 244

Toda garota já ouviu alguma história sobre o uso do anticoncepcional. Mas será que elas são verdadeiras? Desvendamos esses mitos agora!

Posso tomar pílula por conta própria.
MITO: Toda garota precisa passar por um médico ginecologista para saber se pode ou não usar o medicamento, afinal, cada garota tem um corpo difernete.

A pílula pode causar trombose.
VERDADE: Todas as pílulas podem aumentar o risco de trombose. Isso também depende muito do perfil da garota, se ela é obesa, fumante, etc.

O uso da pílula pode aumentar o crescimento dos pelos.
MITO: Ela pode interromper o crescimento de pelos pelo corpo e rosto. Aliás, existem pílulas que até melhoram a pele.


(Foto: Reprodução)

A pílula deve ser tomada no mesmo horário.
VERDADE: É bom tomar a pílula no mesmo horário, porque a quantidade de hormônio existente é pequena, então, se você varia o horário, a quantidade de hormônio que inibe a formação do filículo pode ser alterada. Ah! E dê preferência por tomar o anticoncepcional à noite, pois diminui as chances de efeitos colaterais.

Não se pode tomar a mesma pílula por muito tempo.
MITO: Está liberado tomar a mesma pílula por bastante tempo. Aliás, quanto mais a garota tomar, maior será o seu efeito.

Quem deu as informações: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana. 

Cólicas, dores no corpo, alterações de humor... Você reclama disso todo mês, mas será que sabe mesmo o que está acontecendo com seu corpo? Se ainda não, a gente explica agora!

Todo mês é a mesma coisa: você se senta inchada, quer comer mil barras de chocolate, uma hora quer dar um block no mundo, em outras quer desabar em lágrimas, até que, de repente, menstrua. Aí você passa de cinco a sete dias nisso e pronto, está livre! Quer dizer, até começar tudo de novo. Parece uma conspiração do universo, mas isso é o ciclo menstrual. Na verdade, essa é a sua visão dele, porque enquanto você sofre esses sintomas, está acontecendo um montão de transformações necessárias no seu corpo. Quer ver? 


(Divulgação)

Antes da menstruação:
Se você nunca menstruou, antes da menarca (primeira menstruação) o corpo vai dando sinais. Os seios crescem, os pelos começam a aparecer, e você passa a ter uma secreção vaginal branca ou amarelada. Agora, se já menstruou, dias antes de "sangrar" começa a tensão pré-menstrual (TPM), causada por um hormônio chamado progesterona. Sim, é ele o responsável pelo inchaço, aumento de peso e dores nas mamas. O que acontece nessa fase é que a ovulação - quando o óvulo é liberado pelo ovário para as trompas para que seja fecundado, que em outras palavras significa "preparar para uma gravidez" - já aconteceu. 

Durante a menstruação:
Quando ela começa é como se o corpo se renovasse. Como não houve gravidez, o útero fica pronto para se livrar de toda a preparação feita para receber o embrião. Ele expulsa o óvulo não fecundado e a camada de sangue que o protegia. Para que essa camada se desprenda com facilidade, o útero se contrai repetidamente no começo da menstruação e é esse processo que causa a cólica - para algumas meninas, mais fraca ou mais forte. Nesta fase, a produção de progesterona cai e as emoções tendem a voltar ao normal!  


(Divulgação)

Depois da menstruação...
Com o fim da menstruação, a mucosa do útero volta a se preparar para uma nova possível gravidez, ficando espessa e rica em vasos sanguíneos e nutrientes. É nessa fase que ocorre a ovulação, mais precisamente no período fértil, que ocorre no 14º dia após o início do ciclio. O óvulo maduro sai do ovário em direção ao útero e passa pelas trompas. Esse caminho demora cerca de três a quatro dias e, se não for fecundado, o óvulo se dissolve. Essa é a fase de equilíbrio, tanto emocional quanto corporal.  

E aí, sobrou alguma dúvida? Poste nos comentários!