Um montão de garotas são cheias de dúvidas de como se prevenir contra gravidez e DSTs. A boa notícia é que existe um método ideal para você. Conheça os principais e converse com o seu médico para descobrirem juntos o melhor para a sua saúde!

12 dúvidas respondidas sobre métodos contraceptivos 

Foto: Shutterstock

Os métodos contraceptivos ou anticoncepcionais são aqueles cujo objetivo é impedir ou reduzir as chances de uma mulher engravidar. Existem vários tipos, como os hormonais, que como o nome diz contêm hormônios, e não hormonais, que são sem hormônios e geralmente são usados por pessoas que têm intolerância ou até para aquelas que não querem mesmo. É por isso que é tão importante buscar um médico, pois cada caso deve ser analisado com cautela.

Métodos hormonais

Pílula: comprimido que utiliza da combinação de hormônios, geralmente estrogênio e progesterona, para inibir a ovulação. Se tomada corretamente todos os dias, é considerado um método eficaz e seguro, porém, pode causar efeitos colaterais.

Injeção: contém em sua fórmula progesterona e estrogênios em doses de longa duração, podendo ser mensal ou trimestral. É aplicada na região glútea.

Implante anticoncepcional: um tubo de plástico é introduzido embaixo da pele na parte interna do braço, que libera hormônios para o sangue, impedindo a ovulação e dificultando a entrada de espermatozoides no útero.

SIU: conhecido como sistema intrauterino liberador de levonorgestrel, é um dispositivo em “T” inserido dentro do útero que libera hormônios que impedem a gravidez.

Anel vaginal: é um dispositivo de borracha introduzido na vagina que contém etonogestrel e etinilestradiol. A mulher deve permanecer com ele durante três semanas e fazer uma pausa de sete dias para a menstruação.

Adesivo anticoncepcional: material aderente que deve ser colado na pele e permanecer na mesma posição por uma semana. Ele possui a combinação de progestogênio e estrogênio, que são liberados na circulação durante sete dias.

Métodos sem hormônio

Diafragma: contraceptivo de borracha em formato de anel que impede a entrada dos espermatozoides no útero, evitando a fecundação. É colocado no colo do útero, apoiado ao osso púbico.

DIU: o dispositivo intrauterino é um contraceptivo de plástico e em forma de “T” introduzido no útero, criando uma barreira para a fecundação.

Camisinha: tanto a masculina quanto a feminina são excelentes métodos para evitar gravidez e DSTs, pois evitam que os espermatozoides cheguem ao útero. Deve ser colocada da maneira correta para não haver chances de estourar ou ficar presa.

Espermicida: substância em gel, creme ou comprimido que deve ser introduzida na vagina antes da relação, para matar os espermatozoides. É necessário usar com outro método, como camisinha ou diafragma, pois não é eficaz.

Abstinência sexual: caso não se sinta informada o suficiente, procure um médico antes e, até se sentir segura e protegida, prefira a abstinência sexual para evitar DSTs e uma possível gravidez.

Métodos naturais: a famosa tabelinha, medir a temperatura do corpo, o coito interrompido, etc., são muito antigos e não são NADA eficazes! Para se proteger 100% converse com o seu médico e escolha o anticoncepcional ideal para você.

 

***CONVERSE COM O SEU MÉDICO E TIRE TODAS AS DÚVIDAS SOBRE OS EFEITOS COLATERAIS DO MÉTODO ANTICONCEPCIONAL ESCOLHIDO! NUNCA SE AUTOMEDIQUE!

Quem deu as dicas: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana.