Menstruação atrasada nem sempre quer dizer que tem um bebê a caminho. Outros fatores podem interferir diretamente no período menstrual. Confira!

7 fatos que podem atrasar a menstruação

Foto: Shutterstock

Não se desespere!

Se a sua primeira menstruação aconteceu há pouco tempo, é comum que seu ciclo seja irregular nos primeiros anos. Essas alterações acontecem porque o sistema reprodutor feminino ainda está em fase de amadurecimento, portanto, o atraso é muito comum!

Você ficou doente neste tempo?

Viroses como gripe ou infecções simples, como cistite ou amigdalites, podem ser suficientes para alterar o seu ciclo menstrual, atrasando a menstruação por alguns dias. 

Você anda estressada com algo?

Saiba que o estresse e a ansiedade podem afetar negativamente a produção hormonal, que é regulada pelo hipotálamo, uma parte do cérebro. Tanto que ele pode fazer que a garota não ovule em determinado ciclo, causando ausência da menstruação durante o mês. 

Você suspendeu o uso da pílula anticoncepcional?

Mulheres que tomam o anticoncepcional oral de forma correta têm uma menstruação regular. Porém, se depois de alguns anos de uso da pílula você resolve suspendê-la, é possível que seu ciclo natural demore algum tempo para se normalizar. Há mulheres que entram em amenorreia e ficam meses sem ovular após a interrupção do anticoncepcional. 

Você perdeu ou ganhou peso do nada?

As células de gordura do nosso corpo contribuem na produção de estrogênio, hormônio feminino que é responsável pela maturação dos óvulos. Por isso, alterações bruscas na composição de gordura do corpo alteram os níveis de estrogênio, podendo interferir na ovulação e, consequentemente, na data da menstruação.

Se liga no período 

Pode ser que você não esteja com a menstruação atrasada, mas, sim, que tenha um ciclo longo. Médicos consideram normal a variação de 21 a 35 dias no ciclo.

Fique atenta!

Se o atraso menstrual tem sido longo e você também está sentindo alguns sintomas como queda de cabelo, ganho de peso e aumento de pelos, pode ser um sinal de problema na tireoide ou um desequilíbrio hormonal que está afetando os ovários. O ideal, neste caso, é procurar um médico o quanto antes para que ele avalie o seu quadro e indique o tratamento correto.

Quem deu as dicas: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana.